A Marinha Portuguesa ofereceu esta quarta-feira às Forças Armadas são-tomenses um kit completo de fardamento para a Guarda Costeira e materiais de proteção contra a Covid-19, designadamente 300 máscaras e 300 soluções antisséticas de base alcoólica para higienização.

“A cooperação e solidariedade entre Portugal e São Tomé e Príncipe é um facto, é antigo, mas devo dizer que hoje, no contexto que todos estamos a viver, é muito mais importante nós afirmarmos essa solidariedade e essa cooperação”, disse o embaixador português, Luís Gaspar da Silva, em São Tomé e Príncipe.

O diplomata português anunciou que os dois países estão “no final de um ciclo de cooperação”, uma referência ao Programa Estratégico de Cooperação (PEC), considerando ser necessário “iniciar um outro ciclo” que deverá iniciar em 2021 e prolongar-se até 2025 .

“Quero assegurar aqui que Portugal vai manter o mesmo nível de compromisso durante o ciclo anterior”, prometeu Luís Gaspar da Silva, que fez a entrega do lote de materiais, cujo valor não foi anunciado, ao Ministério da Defesa e Ordem Interna.

O ministro da Defesa e Ordem Interna, Óscar Sousa, expressou os “agradecimentos do Governo por esse gesto”, feito, segundo o governante, “num momento extremamente difícil que o mundo atravessa”.

Óscar Sousa considerou que a oferta da Marinha Portuguesa acontece “num momento simbólico” para o seu executivo, referindo-se ao facto de o país estar a “poucos dias da celebração do 45.º aniversário da independência nacional”, que se assinala a 12 de julho.

O governante destacou a oferta do ‘kit’ completo de fardamento para a Guarda Costeira e referiu que “isso vai melhorar as condições de fardamento dos militares desta unidade das Forças Armadas”.

São Tomé e Príncipe regista, até ao momento, 724 casos positivos e 13 mortos devido à covid-19.

MYB // JH

Lusa/fim