O Gabinete Pela Igualdade e Apoio à Vítima (GIAV) do Fundão viu aprovada uma candidatura de 61 mil euros que permitirá manter a atividade pela inclusão social, combate à pobreza e contra qualquer discriminação, anunciou a autarquia local.

O projeto aprovado irá permitir ao GIAV apoiar mais vítimas de violência doméstica ao nível do atendimento e acompanhamento psicológico, social e jurídico; desenvolver parcerias locais; recolher informação que permita produzir diagnósticos de caracterização local das situações de violência doméstica; consciencializar a comunidade para temáticas como a igualdade de género e oportunidades, violência doméstica e de género e tráfico de seres humanos, através de iniciativas de sensibilização; desenvolver workshops temáticos; desenvolver ações de sensibilização e ateliês temáticos nas escolas”, refere a Câmara do Fundão, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A informação deste município do distrito de Castelo Branco também especifica que a candidatura foi aprovada no âmbito do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE), gerido pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e que esta é a primeira vez que aquele serviço obtém financiamento, apesar das tentativas feitas anteriormente.

A autarquia liderada por Paulo Fernandes também destaca que tem tido sempre especial atenção no combate à violência, tendo sido um dos primeiros municípios a implementar um Plano Municipal para a Igualdade, em 2009, ano em que também criou a figura da Conselheira da Igualdade de Género.

Já o GIAV foi criado em 2019 com a missão de apoiar as vítimas e as suas famílias e, mesmo sem financiamento, tem prestado serviços personalizados, presenciais e gratuitos.

O GIAV tem uma equipa especializada que tem como missão apoiar as vítimas de crime, os seus familiares e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais, promovendo a informação, o atendimento e o apoio às vítimas, assim como a realização de ações de sensibilização para públicos estratégicos e para a comunidade em geral.

Os destinatários são as vítimas de violência doméstica, vítimas de tráfico de seres humanos e vítimas de violência homofóbica e transfóbica.