Especialistas da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) e do CINTESIS alertam para a necessidade de se aumentar o acesso de pessoas com doenças respiratórias crónicas a programas de reabilitação e telerreabilitação, foi anunciado esta quinta-feira.

Em comunicado, a FMUP avança que, numa letter (carta) publicada na revista científica Pulmonology, o grupo de investigadores alerta para os efeitos da pandemia da Covid-19 nas pessoas com doenças respiratórias crónicas que necessitam de reabilitação.

Para a Cristina Jácome, primeira autora da letter, a situação, que “já era muito preocupante”, agravou-se “ainda mais com a Covid-19”, sobretudo devido “à interrupção dos programas” de reabilitação e ao aumento do número de doentes com problemas respiratórios. Em Portugal, 0,5 a 2% das pessoas com doença respiratória crónica têm acesso a programas de reabilitação, assegura a FMUP.

Para a investigadora, uma das soluções para dar resposta a esta necessidade passa por continuar a implementar “sessões de reabilitação à distância”. “É urgente aumentar o acesso dos doentes a programas de reabilitação respiratória e os programas de telerreabilitação poderão ajudar. Nesta nova normalidade, a reabilitação à distância pode ser uma ferramenta útil, desde logo, para chegar aos doentes que vivem longe dos centros existentes a nível nacional”, defende Cristina Jácome.

Acrescentando, no entanto, que faltam agora “orientações específicas” para a implementação de programas de telerreabilitação respiratória que “terão de emergir de um esforço conjunto da tutela e das diferentes sociedade científicas e profissionais envolvidas na prestação destes cuidados”.

A Lusa contactou o Ministério da Saúde, mas até ao momento não obteve resposta.

No comunicado, a FMUP acrescenta ainda que, integrando o treino de exercício, educação e alterações comportamentais, os programas de reabilitação respiratória “melhoram os sintomas e têm resultados positivos nos domínios fisiológicos e psicossociais em pessoas” com doenças do foro respiratório, doença pulmonar obstrutiva crónica ou cancro do pulmão.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 549 mil mortos e infetou mais de 12 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Portugal regista hoje mais 13 óbitos por Covid-19, em relação a quarta-feira, e mais 418 casos de infeção confirmados, dos quais 328 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico diário, o total de óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia é agora de 1.644 e o total de casos confirmados é de 45.277.