A França vai desembolsar um total de 10 milhões de euros para apoiar o setor da educação em Moçambique nos próximos dois anos, anunciou esta quinta-feira em comunicado a embaixada francesa em Maputo.

Trata-se de um financiamento em forma de donativo concedido a Moçambique pela Agência Francesa de Desenvolvimento, contendo um compromisso no valor total de 10 milhões de euros”, lê-se no comunicado.

O valor será canalizado em forma de donativo e vai apoiar programas que serão implementados no período de 2020-2022, reforçando o Fundo Comum de Apoio ao Setor da Educação, designado “FASE”.

Desde 2009, o FASE financia o setor para garantir uma educação de qualidade em todo o país e a todos os níveis, nomeadamente através do apoio direto às instituições e à construção de escolas primárias e secundárias”, acrescenta o comunicado.

No ensino público, Moçambique conta com um total de 13.337 escolas primárias e 677 escolas secundárias, um “desequilíbrio” que é apontado como um desafio nos esforços para garantir a permanência das crianças nas escolas, principalmente nas zonas rurais.

Atualmente, as escolas moçambicanas estão encerradas desde 1 de abril no âmbito do estado de emergência decretado pelo chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, face a covid-19 no país, que já registou mais de mil casos e oito óbitos.

As aulas vão reiniciar faseadamente a partir de 27 de julho, com prioridade para as classes com exames, nomeadamente a 7.ª, no ensino primário, e a 10.ª e a 12.ª, no secundário.

Na terça-feira, o Governo moçambicano anunciou que vai gastar 3,5 mil milhões de meticais (44 milhões de euros) na reorganização das escolas, para a sua reabertura faseada face aos riscos impostos pela Covid-19.