As exportações caíram 39% em maio e as importações 40,2%, face ao mesmo mês de 2019, divulgou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE), referindo a queda do comércio tanto dentro da UE como fora do espaço comunitário.

Em abril, as exportações tinham diminuído 40,1% e as importações 39,5%, em relação a período homólogo.

A queda deu-se em todas as categorias de produtos, destacando o INE a queda nas exportações e nas importações de material de transporte (-54% e -66,6%, respetivamente). Já excluindo combustíveis e lubrificantes, a queda nas exportações e importações seria menor, de 35,2% e 35,1%, respetivamente.

O INE atribui a queda nas exportações de material de transporte (-54%) principalmente à redução para Espanha e Alemanha e a redução de 33,5% nos fornecimentos industriais principalmente à diminuição da venda de bens para o país vizinho.

Nas importações, segundo o INE, destaque para a queda de 66,6% de material de transporte (proveniente principalmente de França), de 78,7% em combustíveis e lubrificantes (justificado sobretudo pelo encerramento das refinarias nacionais e de 32,6% em fornecimentos industriais (sobretudo de Espanha).

Quanto aos principais mercados, em maio, as maiores quedas nas exportações foram com Espanha (-41,2%), o que o INE atribui “sobretudo devido aos decréscimos das exportações de Fornecimentos industriais, bens de consumo e Material de transporte”. Nas importações também é a queda de Espanha que se destaca (-31,3%), “principalmente de fornecimentos industriais”.

Apenas com China houve um aumento das importações (5,1%), devido aos bens de consumo, “essencialmente pela importação de material de proteção individual (maioritariamente máscaras)”, explica o INE.

Já se as contas forem feitas relativamente ao trimestre terminado em maio de 2020, as exportações de bens diminuíram 30,8% e as importações 30,6%, face ao trimestre terminado em maio de 2019.

Na comparação com o mês de abril, em maio, as exportações aumentaram 14,4% e as importações 5,2%, respetivamente. Quanto ao défice da balança comercial de bens, em maio, atingiu 908 milhões de euros, diminuindo 722 milhões de euros face ao mês homólogo de 2019.

Excluindo combustíveis e lubrificantes, a balança comercial ficou com um saldo negativo de 778 milhões de euros, numa diminuição do défice de 420 milhões de euros em relação a maio de 2019.