O primeiro-ministro do Kosovo, Avdullah Hoti, declarou neste domingo que o diálogo com a Sérvia, sob os auspícios da União Europeia (UE) e retomado este domingo, deverá levar ao reconhecimento da independência daquele país por Belgrado.

“Agora entramos numa fase final que só faz sentido se existir um reconhecimento entre os dois países”, afirmou Avdullah Hoti, citado pelo portal de notícias kosovar Kossev.

“Vejo assim e assim será, porque este processo de diálogo, sem um reconhecimento mútuo entre os dois países, em conformidade com os elevados padrões europeus, não tem alternativa”, disse o líder kosovar.

Avdullah Hoti falava em Pristina depois de ter participado de manhã numa videoconferência com o Presidente sérvio, Aleksandar Vucic, que foi organizada pelo alto representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Josep Borrell, e o representante especial europeu para os Balcãs Ocidentais, Miroslav Lajcak.

Esta videoconferência representou a retoma do diálogo para a normalização das relações entre Pristina e Belgrado, que estava estagnado desde 2019.

Após a videoconferência, Miroslav Lajcak afirmou que o diálogo entre a Sérvia e o Kosovo estava “de novo no bom caminho”.

Segundo o representante especial, Aleksandar Vucic e Avdullah Hoti acordaram os pontos da agenda do encontro presencial que está previsto ocorrer na próxima quinta-feira em Bruxelas (Bélgica). O representante especial agradeceu ainda às duas partes “pelo envolvimento construtivo”.

Antes da reunião virtual, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, apelou, por sua vez, à “coragem política” dos líderes da Sérvia e do Kosovo.

O objetivo do diálogo é alcançar um acordo juridicamente vinculativo que regularize as relações entre Pristina e Belgrado, um requisito de Bruxelas para que os dois países possam avançar no respetivo processo de integração no bloco comunitário.

Desde a sua declaração de independência em fevereiro de 2008, o Kosovo (uma ex-província sérvia com larga maioria de população albanesa) foi reconhecido por mais de 100 Estados-membros da Organização das Nações Unidas e, progressivamente, por 22 dos 27 Estados-membros da UE.

Belgrado recusou reconhecer a independência desta sua antiga província, proclamada unilateralmente após uma guerra sangrenta em 1998-99, processo que também não foi legitimado pela Rússia, China, Índia ou África do Sul. O diálogo sob a mediação da UE foi iniciado em 2011, mas, até agora, tem produzido poucos resultados.

Na passada sexta-feira, Aleksandar Vucic e Avdullah Hoti tiveram uma primeira conversa, igualmente à distância, que também contou com a participação da chanceler alemã, Angela Merkel, do Presidente francês, Emmanuel Macron, e de representantes da UE.

O Presidente kosovar, Hashim Thaçi, está impedido de participar no processo por estar acusado de crimes de guerra durante o conflito militar no final da década de 1990.