Mais 306 infeções confirmadas em 24 horas – em ligeira aceleração face à véspera – 83% das quais em Lisboa e Vale do Tejo. E, por outro lado, dois óbitos, um dos quais uma mulher na casa dos 30 anos. Estes são alguns dos principais destaques do boletim divulgado esta segunda-feira pela Direção-Geral de Saúde (DGS).

O boletim diário da DGS aponta, também, para mais 158 casos de infeção que já estão recuperados, o que faz ascender o número total para 31.065 – os novos casos, porém, estão a subir a um ritmo que é praticamente o dobro.

83% dos novos casos em Lisboa e Vale do Tejo

Já foram confirmadas 46.818 infeções por Covid-19 em Portugal, até à meia-noite desta segunda-feira – mais 306 do que no boletim diário anterior. Não fugindo à regra das últimas semanas, os novos diagnósticos foram feitos, sobretudo, na zona de Lisboa e Vale do Tejo: 254 dos 306, ou seja, 83%.

A estes 254 novos casos na zona de Lisboa e Vale do Tejo, acrescem 33 casos no norte do país – um número diário de novos casos que chegou a ser de 67 no sábado, caindo depois para 41 no domingo e, agora, para 33 nesta segunda-feira.

Há, ainda, quatro novos casos no Alentejo (576 no total, até agora), quatro no Algarve (708), nove no centro do país (4.276) e dois novos casos na Madeira, onde já existiram 99 infeções (há uma semana eram 93).

A DGS continua sem dar informação detalhada sobre o número de casos por cada concelho. Num comunicado enviado na noite de sexta-feira, a DGS explicou que só voltará a ser registada a distribuição de casos por concelho a partir desta terça-feira, 14 de julho.

Um dos óbitos foi de uma mulher na casa dos 30 anos

O boletim revela, também, que um dos dois óbitos nas últimas 24 horas foi de uma mulher na casa dos 30 anos. A outra vítima mortal, segundo os dados da DGS, tinha entre 70 e 79 anos.

Até ao momento, morreram duas pessoas na casa dos 20 anos, (agora) três na casa dos 30 anos, 20 com entre 40 e 49 anos e 55 na casa dos 50 anos. As outras vítimas mortais repartem-se entre as 150 com idade compreendida entre 60 e 69 anos, 321 na casa dos 70 anos e 1.111 com mais de 80 anos.

Região de Lisboa e Vale do Tejo volta a ter maioria dos novos casos: 83% dos 306. Um dos dois mortos estava na casa dos 30 anos

Mais cinco internados mas menos um em cuidados intensivos

Aumentou, em relação à véspera, o número de pessoas internadas em hospital, devido à infeção. À meia-noite desta segunda-feira havia 467 internados, mais cinco do que no boletim anterior, e 63 desses em cuidados intensivos, menos um do que no dia anterior.

Estes são números que têm tido alguma melhoria nos últimos dias: há uma semana, por exemplo, havia 513 internados e 74 nos cuidados intensivos.

O boletim aponta, também, para mais 158 recuperados para um total de 31.065 até ao momento.

Registou-se uma forte descida do número de casos a aguardar resultado laboratorial: eram 1.638 no domingo mas à meia-noite desta segunda-feira só havia registo de 1.291 pessoas à espera de saber se estão ou não infetadas.

Há 34.301 pessoas que são contactos de infetados e que estão em vigilância por parte das autoridades de saúde.

36% dos doentes sentem tosse e 28% têm febre

Tosse e febre continuam a ser os principais sintomas. Os sintomas apresentados entre os casos de testes positivos (com informação respeitante a 90% desses casos) mantêm-se praticamente inalterados em relação aos últimos dias, com maior preponderância de tosse (36%) e febre (28%), seguidas de dores musculares (21%) e cefaleias (20%).

Fraqueza generalizada (14%) e dificuldades respiratórias (19%) são os sintomas com menor taxa de incidência.