Adivinha-se cada vez mais animada a contenda entre Ford e Jeep. A primeira está prestes a revelar o novo Bronco, rival assumido do Wrangler e uma das novidades mais aguardadas dos últimos tempos para os amantes do fora de estrada – pese embora a sua vinda para a Europa ainda não seja evidente, sendo mesmo pouco provável, a menos que haja motorizações electrificadas. A segunda não se limita a ficar a assistir na plateia e, pelo menos nas redes sociais, respondeu ao lançamento da Ford no mesmo tom provocatório com que a marca da oval tem espicaçado as expectativas em torno da nova geração do Bronco. Em jeito de teaser, a Jeep postou uma enigmática imagem onde surge o que, até agora, parecia impossível: um quase apagado “392” numa elevação do capot, que tanto pode ser do Wrangler como da Gladiator.

A surpresa decorre do facto de esta inscrição significar que, sob o capot, se encontra um HEMI 392, isto é, um V8 de 6,4 litros que nunca fez parte do catálogo de opções em modelos 4×4 da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), sendo mais popular em propostas como o Dodge Challenger. Para se ter uma ideia, estamos a falar de um bloco que, na sua configuração original, debita a impressionante potência de 491 cv e um não menos respeitável binário de 644 Nm, podendo estar associado a uma transmissão automática de oito velocidades ZF ou acoplado a uma caixa manual Tremec – no caso do Challenger.

Admitindo que esta é a resposta da Jeep à chegada do Bronco, a ser revelado dentro de horas, a curiosidade sobe de tom, alimentando a esperança de estar a caminho um Wrangler muito mais radical. Para mais, com a certeza de que o Jeep lida sem problemas com um incremento desta ordem, na medida em que abundam no mercado norte-americano casos de transformações em que os motores de quatro e de seis cilindros do Wrangler são substituídos por V8 mais vitaminados, designadamente o HEMI Hellcat de 6,2 litros…

Wrangler pronto para enfrentar Bronco e Defender

Para já, o que se sabe é que o Bronco terá, numa fase inicial, motores EcoBoost 2.3 com mais de 270 cv e V6 2.7 na ordem dos 340 cv. Mas se houver mesmo uma “guerra ao armamento”, não é de menosprezar que também a Ford pode tirar da cartola o V8 5.0 litros do Mustang e fazer a magia acontecer.