“Alegria para o fim do mundo”, título transcrito do livro de Andreia C. Faria, uma das poetas residentes do evento, é o mote de mais edição da Feira do Livro do Porto, um momento que marca a retoma das atividades culturais da cidade. “Esta é a sétima edição da feira do livro e pela primeira vez temos um mote literário que ecoa a situação de pandemia que foi vivida nos últimos meses e também o sentimento de esperança no futuro, olhando os poetas e os escritores como faróis, se quiserem como profetas deste tempo”, sublinhou Rui Moreira, presidente da Câmara Municipal do Porto.

Coordenado por Nuno Faria, diretor do Museu da Cidade, o roteiro desta edição é marcado por duas grandes homenagens a escritoras femininas, Leonor de Almeida e Maria de Sousa, falecida a 14 de abril, vítima da Covid-19.

Anabela Mota Ribeiro e José Eduardo Agualusa programam uma sessão especial das Quintas de Leitura, que fazem o arco temporal de quase cem anos de poetas portuguesas, e cinco conversas com escritoras como Ana Luísa Amaral, Hélia Correia ou Matilde Campilho que irão interpretar e analisar heroínas da ficção no Auditório da Biblioteca Almeida Garrett. Distopia, medo, morte, doença ou corpo são palavras que impulsionam cinco debates no Auditório do Pavilhão Rosa Mota, moderadas por nomes como Pedro Santos Guerreiro, Teresa Nicolau ou Teresa Coutinho.

Feira do Livro do Porto arranca em agosto com concertos de bolso e enfoque na língua portuguesa

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.