Cerca de 200 pessoas foram detidas na terça-feira à noite na Bielorrússia por protestos contra a decisão das autoridades que impediram a candidatura presidencial ao opositor Victor Babariko.

A organização não-governamental Vesná (Primavera) indicou que em Minsk as forças policiais detiveram 198 pessoas que foram identificadas no portal do grupo na internet: spring.96.org. Também se verificaram ações da polícia nas cidades de Gomel, Brest e Pruzhany.

As manifestações começaram depois de a Comissão Eleitoral da Bielorrússia ter negado a inscrição da candidatura a Victor Babariko, detido desde o passado mês de junho e considerado o principal rival do presidente Alexandr Lukashenko.

As eleições presidenciais estão marcadas para o dia 9 de agosto. Babariko, ex-banqueiro, foi acusado de evasão fiscal e de lavagem de dinheiro. O ativista Serguei Tijonovski, que também mostrou intenção de concorrer às presidenciais, também se encontra preso.

Svetlana Tijanovskaya, mulher do ativista, demonstrou intenção em concorrer às presidenciais tendo recolhido as dez mil assinaturas necessárias que já apresentou junto da Comissão Eleitoral. A comissão impediu entretanto a candidatura do ex-diplomata Valeri Tsepkalo por considerar que cometeu irregularidades no processo de recolha de assinaturas. Além de Lukashenko, no poder há 25 anos, e Tijanovcskaya, a Comissão Eleitoral autorizou a inscrição de outros três candidatos.

Apesar de as eleições estarem agendadas para o dia 9 de agosto, os cidadãos podem votar durante os cinco dias anteriores. Caso não se verifique maioria absoluta a segunda volta entre os dois candidatos mais votados realiza-se no dia 23 de agosto.