O Banco do Japão (BOJ) prevê uma contração da economia nipónica de 4,7% em 2020, devido à crise provocada pela pandemia da Covid-19, anunciou esta quarta-feira a instituição.

No relatório trimestral sobre as previsões económicas do país, agora divulgado, o banco estimou também que o índice de preços ao consumidor (IPC) do Japão continue “negativo”, por causa da crise sanitária e da queda dos preços do petróleo.

“A economia do Japão tem estado numa situação extremamente grave devido ao impacto da Covid-19 a nível interno e externo“, escreveu o banco central japonês, dando conta de uma queda “substancial” nas exportações e na produção industrial.

No relatório anterior, publicado em abril, o BOJ previa uma contração do Produto Interno Bruto (PIB) entre 3% e 5%.

Embora o banco anteveja uma retoma gradual da economia japonesa a partir do segundo semestre do ano, com a abertura das atividades económicas e medidas de estímulo do governo, “espera-se que o ritmo de melhoria seja apenas moderado, enquanto o impacto da Covid-19 se mantiver no mundo”, alertou.

A instituição prevê que o PIB do Japão cresça 3,3% em 2021.

O Banco do Japão salientou que as previsões agora divulgadas “são incertas”, e avisou que podem vir a mudar, em função do impacto da crise sanitária na economia nacional e estrangeira.

As medidas para combater a pandemia paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.