Os dirigentes das Companhias de aviação dos EUA admitiram que poderiam evitar reduções de pessoal, “porque acreditavam que a procura das viagens aéreas iria recuperar rapidamente até 1 de outubro, com a dissipação do impacto da Covid-19. Infelizmente, não foi o caso“, escreveram o presidente, Robert Isom, e o presidente executivo, Doug Parker, numa carta.

O setor das viagens aéreas tem recuperado muito lentamente desde meados de abril, mas permanece severamente deprimido. As receitas da American Airlines com os passageiros em junho estão 80% abaixo das registada no mesmo mês do ano passado.

Companhias de aviação dos EUA aceitaram ajuda federal de até 25 mil milhões de dólares, na condição de não despedirem até outubro. A American recebeu 5,8 mil milhões, a Delta 5,4 mil milhões e a United cinco mil milhões.

Na semana passada tinha sido a United a avisar os seus 36 mil empregados para a eventual perda de emprego. A Delta fez o mesmo aviso aos seus mais de dois mil pilotos.