A Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT) pediu ao Governo “maior prudência e coerência nas medidas e anúncios que apresenta, sob pena de contribuir para agravar o clima de confusão e incerteza” nas regras relacionadas com Covid-19.

A posição da associação “vem no seguimento de recentes episódios do Governo como a publicação, no início desta semana, da resolução do Conselho de Ministros que estabelecia o alargamento do horário de funcionamento dos restaurantes até às 00h00 e que vigorou apenas durante 24 horas”, refere a entidade, em comunicado.

Também as declarações proferidas hoje pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, onde este admitiu acabar com as limitações à lotação dos transportes públicos não estão a ser bem recebidas pelo setor do turismo, em concreto pelos empresários da restauração”, acrescenta.

“Não se compreende quais são os critérios que o Governo está a utilizar para sustentar as medidas que toma: faz sentido acabar com as limitações à lotação dos transportes públicos e manter esse tipo de restrições de espaço nos restaurantes”, questionou Rodrigo Pinto Barros, presidente da APHORT, citado em comunicado.

“Situações como esta ou como o retrocesso a que assistimos, esta semana, no que diz respeito à alteração dos horários de funcionamento dos restaurantes são incompreensíveis e acabam por sugerir algum desnorte e uma certa precipitação por parte do Governo”, acrescenta.

Este tipo de atuação não é desejável, na medida em que vem contribuir para aumentar o receio e a confusão que está instalada não apenas no setor do turismo, mas na maioria dos setores económicos”, considerou o responsável.