A Câmara das Caldas da Rainha vai lançar um programa de aquisição de peças aos ceramistas locais, num investimento de 25 mil euros para combater as dificuldades económicas que o setor atravessa devido à pandemia da Covid-19.

A iniciativa insere-se no programa de atividades do projeto “Caldas da Rainha Cidade Cerâmica”, decorrente de aprovação da candidatura à rede de Cidades Criativas da UNESCO, que o concelho integra desde outubro de 2019 na categoria Artesanato e Artes Populares.

Devido à pandemia da Covid-19 as “prioridades de investimento” no primeiro ano de iniciativas programadas “foram revistas”, divulgou esta sexta-feira a comissão executiva do programa, que entende que “a Cidade Criativa não deve passar ao lado desta emergência”.

Preocupada com a possibilidade de “o risco da paragem [da atividade] se traduzir numa devastação” para o setor, a comissão considera prioritário “tomar medidas que garantam a sobrevivência do artesanato cerâmico e da produção autoral instalada no concelho”, no distrito de Leiria.

A primeira medida lançada é o “Programa de Aquisições: Cerâmica de Autor”, materializado na aquisição de peças que irão constituir uma coleção de cerâmica representativa dos autores locais.

O programa conta com um orçamento global de 25 mil euros e apoiará cada autor com a compra de peças individuais ou coleções até ao valor de 1.000 euros.

O programa abrange apenas ceramistas que desenvolvam trabalho criativo e continuado no concelho há pelo menos três anos, os quais devem candidatar as respetivas peças até 31 de agosto.

As peças escolhidas pelo júri serão adquiridas pela câmara e posteriormente objeto de uma exposição.