A confirmação (ainda que não oficial) da saída de Jorge Jesus do Flamengo para o Benfica está a motivar várias reações entre treinadores, comentadores e adeptos brasileiros. E com dois sentidos: por um lado, há quem critique a opção do técnico um mês e meio depois de ter renovado contrato e quando tinha como objetivo desportivo repetir a época de sonho em 2019 mas a ganhar também o Mundial de Clubes; por outro, há quem vire atenções para os encarnados, visando aquilo que consideram ser o “roubo” de um ídolo como poucos entre os rubro-negros.

“O Flamengo tem que resolver o problema do Flamengo, que perdeu o treinador. O treinador cismou de ir embora no meio do caminho, largou. É um treinador estrangeiro mas, se fosse um brasileiro que tivesse feito isso aí, a porrada hoje seria tamanha. Seria porrada a todo momento no treinador. Ele foi, o Flamengo vai escolher o treinador e vai continuar com elenco forte e um dos candidatos em potencial à conquista do título. Não muda. Com Jesus ou sem Jesus, o Flamengo é candidato em potencial à conquista do título. Se vai ganhar, é outra história. Tem que jogar”, comentou Vanderlei Luxemburgo, um dos técnicos brasileiros com maior currículo da atualidade, que está hoje no Palmeiras, que passou pela seleção e que liderou o Real Madrid.

Também os adeptos do Flamengo têm estado particularmente ativos nas redes sociais, sendo que chegaram a usar uma publicação sobre a renovação do brasileiro Zelão no voleibol do Benfica para atacarem a ação dos encarnados. “O Flamengo é muito maior que esse time de terceira prateleira de Portugal!”, “O Benfica é um time pequeno” e “Benfica tem Mundial?” foram alguns dos primeiros comentários, sendo que também um post com o prémio de Melhor em Campo de Rúben Dias no encontro entre as águias e o V. Guimarães foi aproveitado para mais comentários como “Roubaram nosso ouro e agora querem roubar nosso técnico”.

E essas reações chegaram mesmo ao próprio FC Porto, com adeptos a escreverem que os azuis e brancos “têm agora mais 42 milhões de torcedores” numa espécie de novo movimento que junta os dragões ao Flamengo.