Os deputados do PS na Assembleia Legislativa da Madeira consideraram esta segunda-feira que o Orçamento Suplementar, que vai ser debatido e votado esta semana, revela “ausência de estratégia” e “novas soluções” para o relançamento da economia regional.

Há uma conclusão que podemos retirar já, é que este Orçamento Suplementar e as verbas que contempla são para fazer face às despesas que o Governo Regional fez nos últimos quatro meses no combate à pandemia”, declarou o porta-voz do grupo parlamentar socialista madeirense, Paulo Cafôfo, em conferência de imprensa, no Funchal.

O deputado opinou, contudo, que “há uma ausência de uma estratégia, de medidas concretas, de novas soluções para o relançamento e retoma da economia regional”.

Paulo Cafôfo referiu que este orçamento “acaba por ser uma revisão, um aumento de 300 milhões de euros”, numa iniciativa que disse ser “justificável, pela pandemia e pelas respostas que serão necessárias”.

Porém, no entender dos socialistas, é necessário “um Orçamento Suplementar repleto de novas soluções, de uma nova estratégia, que visem o relançamento da economia regional”.

O documento, referiu, prevê, por exemplo, um aumento de verbas para a Secretaria Regional da Economia referentes às linhas de apoio aos empresários, mas esse investimento “não reflete uma visão para o futuro”.

Não tem uma estratégia, nem um plano para a recuperação da nossa economia, com medidas concretas que podiam fazer a diferença nesta altura”, vincou.

Os mais recentes dados, sublinhou, apontam que a Madeira “tem já 18 mil desempregados, ou seja, metade da população ativa está ou desempregada ou em layoff“.

Em maio e junho, “a Madeira foi a região do país que registou o maior aumento em termos de desemprego”.

Não serve só derramar dinheiro, é preciso termos objetivos concretos, se quisermos obter resultados concretos, particularmente, na dinamização da nossa economia”, afirmou.

Um desagravamento fiscal, particularmente ao nível do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), e novos investimentos públicos com caráter reprodutivo são medidas que o PS quer ver contemplados na proposta.

Os socialistas criticam também o facto de a Secretaria Regional do Turismo “não ter qualquer reforço de verbas”, o que “seria importante, visto ser o principal setor da economia da região”, com uma “retoma mais lenta”.

O PS já propôs, por exemplo, um fundo de captação de novas rotas aéreas, para obtermos mais rotas, mais companhias, ou seja, mais turistas, tirando vantagem do bom desempenho em termos do combate à pandemia”, salientou Paulo Cafôfo, considerando que a Madeira “não tirou vantagem do facto de ser uma região com poucos casos de Covid-19”.

Os socialistas vão apresentar durante o debate do orçamento as suas propostas de alteração tendo em vista a retoma da economia.

De acordo com mais recentes dados das entidades regionais sobre a situação epidemiológica na Madeira, de domingo, o arquipélago mantém o total de 102 casos de Covid-19, com 94 doentes recuperados e oito ativos, menos um do que no sábado.