O número de prestadores de cuidados de saúde dos setores privado, cooperativo e social em Portugal continental caiu 7% em março, segundo um documento da Entidade Reguladora da Saúde que analisa o impacto da Covid-19 no sistema de saúde.

A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) analisou o impacto da Covid-19 no sistema de saúde entre março e junho deste ano, mas ressalva que “o período decorrido desde o início da pandemia ainda é demasiado curto para que se possam retirar conclusões efetivas sobre a forma como o setor” da saúde “foi afetado e, mais ainda, como irá reagir no médio prazo”.

“Não obstante, foi possível observar uma redução da rede de estabelecimentos de natureza privada, cooperativa e social em funcionamento durante o Estado de Emergência, em diversas tipologias de cuidados de saúde”, sublinha do documento divulgado na segunda-feira à noite.

Segundo o regulador, o número de prestadores de cuidados de saúde dos setores privado, cooperativo e social em Portugal continental com registo ativo na ERS caiu cerca de 7% no mês de março, mas em maio e junho já se verificou uma recuperação.

Nestes dois últimos meses, observou-se uma recuperação do número de estabelecimentos registados em grande parte das tipologias de serviços, tendo mesmo, em algumas delas, esse número aumentado em termos líquidos, “ainda que de forma pouco expressiva”, entre 29 de fevereiro e 30 de junho.

Pelo contrário, e apesar de uma forte recuperação em maio e junho, o número de unidades de medicina dentária e de unidades sem internamento não voltou ainda ao nível que se registava antes da pandemia”, sublinha o documento.

A ERS destaca o “aumento muito relevante” do número de unidades de telemedicina no período analisado, “facto que poderá ser interpretado como resultante da adaptação ao novo contexto por parte de algumas entidades que exploram estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde, e que encontraram na telemedicina uma forma de assegurar a continuidade de prestação de cuidados aos utentes”.

Segundo a entidade reguladora, este aumento do registo de unidades de telemedicina faz com que, em termos globais, não tenha havido uma grande variação no número total de estabelecimentos registados no Sistema de Registo de Estabelecimentos Regulados da ERS (SRER) entre 29 de fevereiro e 30 de junho de 2020, tendo-se mesmo verificado uma subida de cerca de 2%.

Por outro lado, e ainda que, no seu todo, o número de unidades prestadoras de meios complementares de diagnóstico (MCD) apenas tenha aumentado marginalmente no período em análise, verificou-se o registo de quatro novos laboratórios de análises clínicas e de 78 postos de colheita.

Segundo os dados, no final de fevereiro estavam registados 27.890 estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde dos setores privado, cooperativo e social na ERS, número que baixou para 25.814 no final de março.

A partir do final de abril começou a observar-se um ligeiro aumento no número de estabelecimento registados, totalizando 25.960, número que subiu para 28.183 no final de maio e e para 28.424 no final de junho.

O estado de emergência nacional vigorou entre 18 de março e 2 de maio.