O ato de levantar dinheiro numa agência ou numa caixa multibanco pode ficar mais longe para a população de metade das freguesias do distrito de Bragança, revelou esta quarta-feira a Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes.

A CIM, que representa nove dos 12 municípios do distrito de Bragança, mostra-se “apreensiva” com a realidade atual da região e a possível redução da rede caixas multibanco naquele que é o distrito de Portugal onde estes serviços estão mais distantes da população.

A Comunidade Intermunicipal apela, num comunicado divulgado esta quarta-feira, para que qualquer decisão que venha a ser tomada relativamente à reestruturação da rede “tenha em conta a realidade local e as características da população contribuindo assim para a coesão territorial”.

O primeiro motivo de apreensão da CIM Terras de Trás-os-Montes é a conclusão do estudo publicado pelo Banco de Portugal que avalia a cobertura da rede de caixas automáticas e balcões de instituições de crédito.

Para a CIM transmontana, este estudo “põe a nu algumas das debilidades da região nesta matéria e demonstra que o distrito de Bragança é o que, a nível nacional, apresenta uma maior distância absoluta em relação a uma caixa automática ou agência”.

De acordo com os dados citados, existem nesta região “dois concelhos, onde cada caixa automática serve em média mais de 100 quilómetros quadrados de território”.

A Comunidade Intermunicipal aponta que “mais de 50% das freguesias” deste território poderão vir a ser afetadas com a “contração da rede”.

A CIM das Terras de Trás-os-Montes entende que a possível redução do número de caixas automáticas ou agências não pode vir a prejudicar um território que apresenta já estas debilidades”.

Nesse sentido, defende que “é necessário estruturar, desde já, uma resposta que permita salvaguardar o acesso da população a notas e moedas, dado que o numerário continua a ser o instrumento de pagamento mais utilizado em Portugal e o instrumento mais utilizado por segmentos mais vulneráveis da população”.