O Instituto Nacional de Previdência Social (INPS) foi a entidade que mais comprou dívida pública cabo-verdiana em bolsa em 2019, aumentando as aquisições em 30% no espaço de um ano, para mais de 54 milhões de euros.

De acordo com o relatório extensivo de 2019 da Bolsa de Valores de Cabo Verde (BCV), as emissões de títulos do Tesouro cabo-verdiano em bolsa durante o último ano ascenderam a 13.540 milhões de escudos (122,2 milhões de euros), em Obrigações do Tesouro (68,55% das operações) e Bilhetes do Tesouro (21,95%).

O relatório refere ainda que o INPS liderou a compra de dívida pública, com um peso superior a 40,1%, equivalente a 6.008 milhões de escudos (54,2 milhões de euros), que comparam com a aquisição, no valor de 4.593 milhões de escudos (41,5 milhões de euros), em 2018, um crescimento de 30,8% no espaço de um ano.

O documento assume que nas colocações por instituição, designadamente bancos operadores de bolsa e instituições autorizadas a participarem no mercado primário da dívida pública, o INPS é que apresenta “maior volume subscrições”.

O INPS tem como vocação principal gerir o sistema de previdência social dos trabalhadores por conta de outrem em Cabo Verde, pagando vários tipos de pensão. Dos beneficiários do INPS, 41% são segurados ativos (trabalhadores), 48,6% familiares e 6,1% são pensionistas, entre outros.

O Banco Comercial do Atlântico (BCA, do grupo Caixa Geral de Depósitos), foi o segundo que mais dívida pública cabo-verdiana comprou em 2019, no valor de 4.215 milhões de escudos (38 milhões de euros), o equivalente a 28,1% do total das emissões feitas em bolsa, neste caso uma quebra de 27,7% face aos 5.836 milhões de escudos (52,7 milhões de euros) comprados em 2018, quando liderou as compras.