Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O furacão Hanna desceu de intensidade e passou a depressão tropical um dia depois de ter entrado em terra em Padre Island, estado norte-americano do Texas. A tempestade chegou aos Estados Unidos no sábado ao fim do dia como um furacão de categoria 1 (o menos grave da escala de Saffir-Simpson) e trouxe ventos de 145 quilómetros por hora, chuvas fortes e inundações. No domingo à noite já tinha perdido força.

A última atualização do Centro Nacional de Furacões, a entidade norte-americana que monitoriza as tempestades tropicais do Atlântico Norte, dizia que a depressão Hanna tinha agora ventos sustentados na ordem dos 56 quilómetros por hora e estava a desvanecer-se à medida que chegava às montanhas do norte do México.

Ainda assim, provocou chuva forte no vale do Rio Grande. No Texas, várias estradas estão agora submersas por causa da queda intensa de água. No Condado de Hidalgo, mesmo após o enfraquecimento da tempestade, manteve-se ativo o alerta de emergência de enchentes repetinas. Em alguns locais, a chuva chegou a 30 centímetros de altura.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Greg Abbott, governador do Texas, declarou a situação de desastre em 32 condados daquele estado norte-americano e pediu ainda uma declaração federal de desastre de emergência. Há hospitais na capacidade máxima, tanto por causa das vítimas da tempestade que chegaram a ser resgatadas após terem ficado presas em veículos nas estradas inundadas; como por causa da Covid-19. A declaração foi aprovada este domingo.

Milhares de pessoas estão sem eletricidade por causa dos ventos da tempestade Hanna. Algumas infraestruturas foram danificadas na sequência da queda de árvores. A região continua sob alerta por causa da possibilidade de formação de pequenos tornados, mas também de correntes perigosas nos corpos de água e inundações nas praias.

Em declarações públicas, Greg Abbott recordou que “este é um momento em resposta a um furacão em que, às vezes, as pessoas se reúnem, se reúnem para se abrigar, se reúnem apenas quando a família se une, e os amigos se reúnem para responder”: “Essa união continuará a fornecer a capacidade da Covid-19 de transmitir de uma pessoa para outra“, avisou o governador.