Um total de 99 migrantes em condições vulneráveis de saúde, requerentes de abrigo na Europa e temporariamente no Chipre e Grécia, foram deslocados para Finlândia e Alemanha, anunciou esta quarta-feira o Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo.

“Nos últimos dias, 99 requerentes de asilo vulneráveis foram deslocados para a Finlândia e Alemanha, como parte do atual apoio da União Europeia aos Estados-membros da linha da frente”, neste caso o Chipre e a Grécia, indica o Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (EASO, na sigla inglesa) em comunicado.

Realizada no âmbito de um programa para deslocalização de requerentes de asilo vulneráveis para outros Estados-membros da União Europeia (UE), coordenado pelo EASO e pela Comissão Europeia juntamente com a Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e a Organização Internacional para as Migrações, a primeira ação de relocalização aconteceu na passada sexta-feira e abrangeu “83 membros de famílias com crianças com graves problemas de saúde, da Grécia para a Alemanha”.

Já a segunda ação realizou-se na passada segunda-feira, com a transferência de 16 pessoas de famílias da Somália e da República Democrática do Congo que estavam no Chipre e foram transferidas para a Finlândia.

Realizadas em altura de pandemia de Covid-19, estas transferências respeitaram as regras adotadas para conter o surto, o que implicou testes a todos os migrantes deslocados antes de deixarem o Chipre e a Grécia.

Estas iniciativas decorreram também no âmbito do programa da UE para relocalização de migrantes menores, que até agora já envolveu 12 Estados-membros, incluindo Portugal.

Recentemente, a Alemanha concordou receber 243 crianças com graves problemas de saúde, juntamente com as suas famílias.