Em meados deste mês, a Nissan apresentou o seu primeiro SUV 100% eléctrico, o Ariya, e a fórmula que encontrou para o seu C-SUV, que é o equivalente ao Qashqai, mas a bateria, deverá ser replicada no segmento acima. Quem avança a informação é a Autocar, publicação à qual a responsável pelos Veículos Eléctricos na Nissan Europa, Helen Perry, admitiu que a nova arquitectura CMF-EV, plataforma projectada especificamente para modelos eléctricos, irá ser rentabilizada com novos modelos, inclusivamente de porte e dimensões superiores ao Ariya.

Nos próximos três anos, os C-SUV e D-SUV devem crescer cerca de 300%. Portanto, vamos procurar usar a plataforma nesses segmentos com maior potencial de crescimento nos próximos anos”, afirmou Helen Perry sem, no entanto, avançar uma possível data para a chegada ao mercado do “irmão maior” do Ariya.

Helen Perry

De acordo com a referida publicação, é expectável que o novo SUV eléctrico da Nissan, à semelhança do Ariya, seja disponibilizado com uma oferta variada em termos de potência e de autonomia, indo assim ao encontro das necessidades de um leque mais vasto de consumidores.

O novo modelo terá ainda a vantagem de poder acomodar um pack de baterias maior por ser mais comprido e por ter como base uma arquitectura modular específica – à semelhança da estratégia adoptada pelo Grupo Volkswagen com a MEB – , o que lhe confere uma maior versatilidade para tirar partido da mecânica exclusivamente eléctrica, favorecendo o espaço a bordo.

Recorde-se que a autonomia máxima do Ariya é de 500 km em WLTP, pelo que o seu “mano”, embora tenha maior porte e peso, deverá manter essa fasquia pois, até ao seu surgimento, a tecnologia das baterias vai continuar a evoluir. A Nissan comprometeu-se a electrificar 50% da sua gama até 2023.