O Conselho da União Europeia (UE) confirmou esta quinta-feira a lista de pessoas e entidades sujeitas às sanções autónomas impostas pela UE contra a República Popular Democrática da Coreia (RPDC), renovando as mais severas restrições impostas a um país.

O Conselho da UE informa, em comunicado, que em causa estão medidas restritivas como “proibição de viajar e congelamento de bens”, que já estão “atualmente em vigor contra as pessoas e entidades cujos nomes constam das listas” e que “continuarão a aplicar-se por um ano, até à próxima revisão anual”.

Estas sanções são aplicadas a 57 pessoas e nove entidades incluídas nas listas por contribuírem para os programas da RPDC relacionados com armamento nuclear, mísseis balísticos e outras armas de destruição maciça ou ainda por evasão a sanções, precisa a estrutura.

O Conselho da UE aponta que “as sanções da UE contra a RPDC são as mais severas alguma vez impostas a um país“, tendo sido adotadas “em resposta às atividades de desenvolvimento de armas nucleares e mísseis balísticos levadas a cabo pela Coreia do Norte, que violam várias resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas”.

A estrutura lembra, ainda, que a UE tem vindo a “manifestar reiteradamente a sua firme convicção de que a paz e a desnuclearização duradouras na península da Coreia têm de ser alcançadas por meios pacíficos e que a única forma de atingir esse objetivo será levar por diante o processo diplomático”.

Esta confirmação das sanções entra em vigor na sexta-feira após publicação no Jornal Oficial da UE.