Quando a pandemia se tornou um caso sério e o futebol parou em Itália tal como em quase toda a Europa, a Lazio era a equipa com maiores possibilidades de roubar o nono título consecutivo à Juventus. Os golos de Immobile e a qualidade de Correa e Milinkovic-Savic, aliados à liderança de Simone Inzaghi, tornavam a equipa de Roma a grande dor de cabeça de Cristiano Ronaldo e companhia. A interrupção, porém, alterou por completo esse paradigma.

Em 11 jogos da retoma, a Lazio somou cinco derrotas, perdendo gás para ainda assustar a Juventus e deixando também escapar o segundo lugar, de forma alternada, para o Inter Milão e a Atalanta. Este sábado, no último dia da Serie A, já com a Juventus como campeã italiana e com apenas um ponto a separá-los, Inter Milão e Atalanta defrontavam-se em Bérgamo, com a ligeira vantagem a estar do lado da equipa de Antonio Conte. O duelo tinha como grande objetivo a garantia do segundo lugar, já que a qualificação direta para a fase de grupos da Liga dos Campeões estava desde já assegurada por ambos, mas obrigava a um olhar atento ao que se passava em Nápoles — onde a Lazio, com os mesmos 78 pontos que a Atalanta e menos um do que o Inter, podia aproveitar um empate em Milão para terminar a época como vice-campeã italiana.

Um dia depois de completar 51 anos, Antonio Conte procurava então termina a primeira temporada no Inter com o segundo lugar da Serie A — antes de completar a participação na Liga Europa, onde os italianos são um dos destacados candidatos à vitória final. Na antevisão, o treinador lembrou que este sábado estariam frente a frente o melhor ataque em Itália, a Atalanta, e a melhor defesa, o Inter. “Acho que é sempre certo ter um bom balanço entre a fase ofensiva e a fase defensiva. A Atalanta marcou muitos golos, marcaram consecutivamente durante mais de 20 jogos, têm muito mérito e jogadores de qualidade. Nós somos a melhor defesa e o segundo melhor ataque. Vai ser um desafio ao longo do jogo mas esperamos prevalecer”, disse Conte, que falou depois sobre a conclusão de uma temporada totalmente atípica.

“Foi com toda a certeza um ano muito exigente, de vários pontos de vista. Esta experiência tem obrigado a muitos esforços. Foi uma situação nova mas há aspetos positivos que podem ser aproveitados no futuro (…) Espero que seja um bom jogo. Vai ser disputado sem que sejam necessárias calculadoras. A Atalanta consolidou-se em Itália e também está na Liga dos Campeões. Vamos sofrer mas o objetivo é fazê-los sofrer também”, acrescentou o técnico nerazzurri.

Do outro lado, e no início de um mês de agosto que encerra uma boa temporada a nível interno mas reabre a Liga dos Campeões, onde a Atalanta vai encontrar o PSG nos quartos de final, o treinador Gian Piero Gasperini lembrava que acabar o Campeonato no segundo lugar seria sinal de “prestígio” para o clube. “Alcançámos resultados consistentes e fizemos novos recordes do clube, por isso, é difícil dizer que a Atalanta não jogou com todo o seu potencial. Temos de nos concentrar em derrotar o Inter, porque acabar em segundo seria um resultado de prestígio. Foi uma temporada muito difícil para todos, especialmente para os jogadores, e estamos todos ansiosos por acabar em alta”, explicou Gasperini, que logo depois lembrou os adeptos, principalmente porque Bérgamo foi a região mais afetada pela pandemia em Itália.

“É uma pena que tenhamos feito tudo isto sem os nossos adeptos, porque teria existido um entusiasmo incrível, parecido com o que vimos até março, com adeptos tanto nos jogos em casa como nos jogos fora. Só espero que possamos ter os nossos adeptos de regresso ao estádio em breve, porque o futebol perde muito sem as multidões”, terminou o italiano, que repetiu muitas vezes ao longo da interrupção das competições que o maior objetivo da equipa durante a retoma seria recuperar o sorriso das pessoas de Bérgamo.

Michael Jordan, Sun Tzu e lobos. Os segredos da Atalanta de Gasperini — que nunca perde, “ou ganha ou aprende”

Logo ao primeiro minuto, o Inter Milão colocou-se em vantagem por intermédio de D’Ambrosio, que cabeceou certeiro depois de um canto batido na esquerda (1′). Até ao intervalo, e num primeiro tempo em que a equipa de Conte foi regularmente mais perigosa mas permitiu a iniciativa à Atalanta depois de ter ficado em vantagem, Ashley Young ainda fez o segundo, com um grande remate depois de ter oscilado da esquerda para a faixa central (20′).

Depois de uma segunda parte em que a Atalanta assumiu por completo as despesas do jogo mas não conseguiu propriamente causar perigo junto da baliza de Handanovic, o Inter segurou a vantagem até ao final, garantiu o segundo lugar da Serie A e derrotou a equipa de Gasperini — sem sofrer golos, algo que não deixa de ser um feito contra a Atalanta. Já o conjunto de Bérgamo, e mesmo depois de perder, beneficiou da derrota da Lazio em Nápoles para assegurar o terceiro lugar da liga italiana pelo segundo ano consecutivo e oferecer à região, que viveu na linha da frente um dos anos mais complicados de que há memória, um merecido lugar no pódio.