Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um deputado conservador britânico foi libertado sob fiança este domingo depois de ter sido preso por suspeita de violação. Apesar de ainda não se saber a identidade do acusado, o Sunday Times avança que a denuncia partiu de uma funcionária do Parlamento.

A BBC explica ainda que a Polícia Metropolitana está a analisar alegações associadas a quatro incidentes separados que terão ocorrido algures entre julho de 2019 e janeiro de 2020. O Partido Conservador classificou as alegações de “sérias”, mas admitiu que enquanto a investigação policial decorresse não iria afastar o suspeito em questão, podendo ele manter-se na Câmara dos Comuns a exercer. Esta decisão foi rapidamente classificada como sendo “chocante” pelos trabalhistas, através de declarações da ministra sombra da violência doméstica e da proteção, Jess Phillips, à Times Radio

Este caso foi exposto pela primeira vez  através do jornal Sunday Times. O jornal expôs a história da queixosa que alegava ter sido agredida pelo deputado que depois a obrigou a fazer sexo e a traumatizou de tal forma que teve de receber tratamento hospitalar.

“Na sexta-feira, 31 de julho, o Serviço Metropolitano de Polícia recebeu denúncias relacionadas com quatro incidentes que envolviam alegações de crimes sexuais e agressão”, comentou com a BBC, via comunicado, a polícia. “Esses crimes teriam ocorrido em Westminster, Lambeth e Hackney entre julho de 2019 e janeiro de 2020”, reforçavam.

A BBC dá conta de relatos que dizem que o Partido Conservador já estava ciente destas alegações e terá até conversado com a alegada vítima — apenas não sabiam a magnitude das alegações.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR