Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Para poder transportar mais gente a bordo com classe, ou seja, sem recorrer a um furgão, há mercado para versões “esticadas” de veículos normais. E um exemplo disso é este 360 Modena, que pode ser visto como uma maravilha da técnica, pelos que apreciam limusinas, ou encarado como uma aberração pelos amantes da Ferrari. Seja como for, espaço não lhe falta para transportar toda a família, todo o conselho de administração ou um grupo de amigos rumo a uma despedida de solteiro. E está à venda por 399.999 dólares australianos, cerca de 242 mil euros, um valor particularmente elevado, até por comparação com propostos similares.

Como todos os Ferrari, também este 360 Modena nasceu em Maranello, nos arredores de Modena. Durante alguns anos foi utilizado como todos os coupés da marca italiana com dois lugares, até que em 2012 foi exportado do Reino Unido para a Austrália. E foi aí que começou a “tortura”.

Cortado a meio, o 360 Modena viu depois ser-lhe acrescentada uma nova zona central no mesmo material do resto da carroçaria, ou seja, em alumínio, segundo o fabricante, com o chassi a ser necessariamente reforçado com “vigas” longitudinais para lhe incrementar a rigidez. Para impedir o peso de disparar, o longo tejadilho, as portas tipo asa de gaivota e os painéis laterais foram construídos em fibra de vidro.

O motor do 360 Modena foi mantido (valha-nos isso), pelo que o 3.6 V8 atmosférico continua a ocupar o seu lugar original na traseira do modelo, de onde saem 400 cv e o “cantar” característico dos motores Ferrari tradicionais, ainda antes da era dos turbo. A empresa transformadora australiana informou que a caixa deixou de ser a original, tendo sido substituída por uma herdada de um Subaru Liberty GT, a versão local do Legacy europeu, isto apesar de, como se pode ver na foto, o selector ser o original. Esta alteração poderá ter sido devida à avaria da caixa original ou, mais provavelmente, à procura de uma maior suavidade de funcionamento – compatível com o que se espera de uma limusina – da caixa do Subaru.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O melhor deste 360 Modena “esticado” é o seu interior. À frente continua tudo na mesma, com os dois lugares originais e o volante à direita, visto tratar-se de uma versão para o mercado inglês e australiano. Atrás, espaço a que se acede através das duas portas tipo asa de gaivota, encontram-se assentos para oito passageiros dispostos em meia lua, virada para aquilo que verdadeiramente interessa a quem viaja neste tipo de veículos: um bar devidamente iluminado e recheado de copos e de garrafas. Como tal, a limusina de Maranello oferece todas as condições para que a “festa” comece assim que se entra a bordo, muito antes de se chegar ao destino.

Quanto ao conforto, o melhor é não pensar nisso, uma vez que a altura ao tejadilho não é das maiores e as suspensões pneumáticas apenas servem para impedir o carro de raspar por baixo nas zonas mais irregulares ou nos acessos aos parques de estacionamento.