A descontaminação de cerca de 20 hectares da zona da Matinha, na freguesia de Marvila, em Lisboa, vai começar a ser feita este mês, pelo proprietário dos terrenos, onde serão construídas 2.000 casas e diversas infraestruturas, foi esta terça-feira anunciado.

Em comunicado, a VIC Properties refere que a primeira fase do processo de descontaminação – do loteamento A – deverá estar concluída em fevereiro de 2021.

Para a retirada dos contaminantes presentes nos solos e nas águas foi contratado um consórcio.

Os resíduos que vão ser retirados serão transportados em veículos adequados, “sempre cobertos e com lavagem prévia dos rodados”, enquanto as águas contaminadas serão tratadas numa estação de tratamento de águas residuais (ETAR) móvel, a instalar no local, é referido na nota.

O processo será acompanhado por uma Comissão de Acompanhamento Ambiental, que integra mais de uma dezena de entidades, entre as quais a Câmara Municipal de Lisboa, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), as juntas de freguesias de Marvila e Parque das Nações, a associação de moradores e empresários do Parque das Nações e a associação ambientalista ZERO.

Nos terrenos que agora serão descontaminados esteve a operar entre 1944 e 1999 a Fábrica de Gás da Matinha, demolida em 2006.

Entre 2002 e 2020, foram realizadas nestes terrenos 125 sondagens aos solos e instalados 38 piezómetros para monitorização da qualidade das águas subterrâneas. Foram recolhidas centenas de amostras e realizadas milhares de análises em laboratório. Deste trabalho, foi possível concluir que no loteamento A, numa área total de 89.320 metros quadrados, cerca de 23 mil metros quadrados (25,9% do total) se encontram contaminados”, lê-se no comunicado.

Em 2019, quando a VIC Properties adquiriu os terrenos fez também trabalhos de caracterização da qualidade dos solos e das águas subterrâneas do loteamento A, “o que permitiu localizar os principais pontos de investigação e contaminantes”, é ainda referido.

Segundo a nota, os terrenos adquiridos pela empresa têm uma área de implementação de cerca de 20 hectares, “com um total de 260.000 metros quadrados previstos de área de construção acima do solo”.

Para o local está prevista a construção de 2.000 novas habitações e infraestruturas de lazer e serviços.