Um jogo com cinco meses de atraso entre duas equipas que deixaram os objetivos pela metade. Em março, quando a maioria das partidas dos oitavos de final da Liga Europa ainda se realizaram, o Inter Milão-Getafe e o Sevilha-Roma já não aconteceram. O agravar da pandemia tanto em Itália como em Espanha, onde as cidades de Milão e de Sevilha eram epicentros de contágio relevantes, não permitiram a realização da primeira mão dos oitavos entre italianos e espanhóis. Dias depois, a Europa fechou: e as competições europeias ficaram num prolongado stand by.

Esta quarta-feira, no início de agosto e numa altura em que está já a fazer um ano civil desde o início da atual temporada na maioria dos países, Inter Milão e Getafe decidiam apenas num jogo aquilo que em março iria ficar fechado em dois. Apenas a uma partida e em terreno neutro, italianos e espanhóis disputavam uma vaga na final eight da Liga Europa e ambos procuravam esquecer as desilusões das retas finais das respetivas temporadas.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.