A ocupação hoteleira em julho no Algarve registou uma quebra de 60,2% face ao mesmo mês do ano passado, tendo sido registada uma ocupação global média por quarto de 33,2%, indicou esta quarta-feira uma associação do setor.

Em comunicado, a Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) refere que o mercado britânico foi o que mais contribuiu para a descida, tendo sido registada uma quebra de 91,1%.

A seguir ao mercado britânico, o principal mercado emissor de turistas para a região, as maiores descidas verificaram-se nos mercados irlandês, alemão e holandês.

Por seu turno, o mercado nacional foi o que apresentou a menor descida (8,3%), tendo representado 61,1% do total das dormidas em julho na região.

Segunda estima a AHETA, cerca de 22% das camas classificadas permaneceram encerradas, “pelo que a percentagem de empreendimentos que ainda não reabriram é bastante superior”.

O volume de vendas apresentou uma descida face ao mesmo mês do ano anterior de 66%.

Em valores acumulados, a ocupação por cama regista uma descida média de 62,9% desde janeiro e o volume de vendas uma quebra de 61,8%, conclui.