O ciclista holandês Fabio Jakobsen, que sofreu na quarta-feira uma violenta queda na Volta à Polónia, foi operado ao longo de cinco horas a lesões na cabeça e rosto, informaram esta quinta-feora os médicos.

Jakobsen, de 23 anos, mantém-se em coma induzido, e, ainda de acordo com a equipa clínica, uma tomografia efetuada mostra que, aparentemente, o tecido cerebral não terá sido danificado.

“As principais lesões situam-se ao nível do rosto. Felizmente, a visão não foi afetada. O estado de saúde é grave, mas estável“, adiantou o diretor-adjunto do hospital de Sosnowiec, Pawel Gruenpeter. O responsável clínico admitiu ainda que hoje será feito um procedimento para acordar Jakobsen do coma.

No sprint final, em Katowice, Jakobson (Deceuninck-Quick Step) estatelou-se nas barreiras de proteção, depois de ser “apertado” por Dylan Groenewegen (Jumbo-Visma).

Ciclista holandês Fabio Jakobsen em coma induzido após queda no Tour da Polónia. Equipa pede ações contra Groenewegen

A queda de Jakobsen acabou por provocar uma “onda” de outras quedas, incluindo a do próprio Groenewegen, já depois de cruzar a meta, com vários ciclistas a acabarem por ir para o hospital. Entre eles, os franceses Marc Sarreau (da Groupama-FDJ), com um traumatismo nas costas e roturas ligamentares múltiplas, bem como Damien Touzé (Cofidis), que teve de ser operado a uma tripla fratura numa mão.

O espanhol Eduard Prades também teve de ser hospitalizado, com uma fratura numa vértebra, depois de embater nas barreiras e a sua equipa, a Movistar, já informou que o ciclista seguirá esta quinta-feira para Espanha.

Os três portugueses na corrida, todos da UAE Emirates, entraram no pelotão e foram poupados à queda: Ivo Oliveira em 31.º, Rui Costa em 37.º e Rui Oliveira em 40.º, com o mesmo tempo do vencedor, ou seja 4:31.50 horas. A segunda etapa da Volta a Polónia decorrerá esta quinta-feira, numa distância de 151 quilómetros entre Opole e Zabrze.