Um grupo de 20 cientistas e investigadores espanhóis apelou esta sexta-feira ao governo para promover “uma avaliação independente e imparcial” da gestão da pandemia de Covid-19 para perceber por que motivo Espanha foi tão afetada. Espanha é o país da Europa ocidental com mais casos de coronavírus, 309.855 segundo os números da Universidade Johns Hopkins.

Numa carta publicada esta sexta-feira na revista científica Lancet, os 20 cientistas pedem uma avaliação realizada por um painel de peritos espanhóis e estrangeiros sobre “as atividades do Governo central e dos governos das 17 comunidades autónomas”. A avaliação deve centrar-se em três áreas — governança e tomada de decisões, assessoria científica e técnica, e capacidade operacional —, defendem os investigadores.

Na carta, os peritos admitem que entre as eventuais explicações poderão estar a falta de preparação, uma resposta demasiado lenta, a população envelhecida e cortes no financiamento do sistema de saúde público.

Os investigadores defendem que esta avaliação “não deve ser concebida como um instrumento para distribuir a culpa. Deve antes identificar áreas em que a saúde pública, o sistema de saúde e a assistência social devem ser melhorados”.

Espanha precisa de uma “avaliação exaustiva dos sistemas de saúde e assistência social para preparar o país para novas vagas de Covid-19 ou futuras pandemias, identificando debilidades e forças, e lições aprendidas”, argumentam.

Na mesma carta, os investigadores questionam como é possível que Espanha, que “tem um dos sistemas de saúde com melhor desempenho do mundo”, tenha registado até agora mais de 300.000 casos e 28.498 mortes, “mais de 50.000 profissionais de saúde infetados e quase 20.000 mortes em lares de idosos”.