A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve desmentiu este domingo que o Centro de Saúde de Tavira não possua triagem separada para os utentes Covid-19 após queixa do presidente da Juventude Popular.

“Desde 16 de março que temos circuitos separados no Centro de Saúde de Tavira, por isso não entendo aquela notícia” afirmou à Lusa o presidente da ARS/Algarve, Paulo Morgado.

Em causa está a queixa de Francisco Mota, presidente da Juventude Popular (JP), depois de se ter dirigido àquele centro este sábado, denunciar a inexistência de corredores de triagem separados para doentes suspeitos de Covid-19 naquele centro, questionando até se será situação única no país.

Francisco Mota relatou que durante o período de espera se deparou com duas situações de possíveis doentes Covid, que terão estado no mesmo espaço que os demais utentes.

O presidente da ARS/Algarve, revelou “achar estranha” esta notícia destacando que “quando os utentes chegam ao centro há indicações claras dos diferentes circuitos” e é feita uma triagem “por enfermeiros”, sendo depois “encaminhados para circuitos separados”.

O responsável realçou que não há “falta de recursos humanos” no centro e que “nunca houve” um caso de Covid-19 nos profissionais do centro ou “reclamações sobre uma situação similar” à descrita pelo líder da JP, desconhecendo “o que poderá ter motivado a reclamação”.

Realçou, no entanto, que pode haver situações em que os utentes “ocupem outros espaços”, mas reforçou que “todos têm a obrigatoriedade de manter a distância e usar máscara”, que é fornecida “em qualquer centro, caso o utente não a tenha”.

Paulo Morgado defendeu que se trata de um “excelente centro de saúde, que sempre funcionou bem”, revelando que “tudo isto é necessidade de aparecer” por parte do dirigente centrista.

O presidente da JP tinha afirmado que a situação suscita preocupação particular por se tratar de um centro de saúde no Algarve, onde nesta altura há pessoas de todo o país, que em caso de contágio poderão disseminar a doença.

O dirigente centrista revelou ter apresentado uma reclamação junto do Centro de Saúde de Tavira, à qual Paulo Morgado assegurou que “vai a ser analisada, segunda-feira e será respondida”, conclui.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 727 mil mortos e infetou mais de 19,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.756 pessoas das 52.668 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.