A Câmara de Santo Tirso anunciou esta segunda-feira em comunicado que iniciou uma campanha de esterilização junto das associações que receberam os animais do abrigo na Serra da Agrela, atingido pelas chamas no passado dia 19 de julho. Neste mesmo incêndio, que gerou bastante polémica e revolta entre os populares, morreram 69 cães e 9 gatos.

“Através do veterinário municipal, temos estado em contacto com as diferentes associações que receberam os animais do abrigo de Agrela e, tal como nos comprometemos, está a ser prestado todo o apoio necessário”, explica o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Alberto Costa.

Depois de visitas realizadas pelo veterinário municipal às associações que acolheram os cães e os gatos, durante a semana passada, os animais começam, agora, a ser esterilizados, sendo transportados para o Canil/Gatil Municipal de Santo Tirso, onde existe um bloco cirúrgico preparado para a realização dos procedimentos. Após a intervenção, os animais voltarão para as respetivas associações.

Lei que proíbe o abate de animais aumentou abrigos clandestinos? O incêndio no canil de Santo Tirso reabriu a discussão

Segundo o autarca, tem havido “um diálogo permanente” com todas as instituições que receberam os animais do abrigo da Agrela. “Desde a primeira hora, a Câmara de Santo Tirso mostrou-se disponível para apoiar todos aqueles que receberam os animais. É isso que estamos a fazer. O veterinário municipal já visitou as diferentes associações e, agora, irá avançar com as ações de esterilização”, sublinha.

O mesmo comunicado adianta que todos os custos, do transporte dos animais para o Canil/Gatil Municipal ao procedimento cirúrgico”, estão a ser assumidos pela Câmara de Santo Tirso. A par das esterilizações, o município e a empresa Propecuária já fizeram chegar às associações que acolheram os animais do abrigo de Agrela “mais de 2,4 toneladas de ração”.

Santo Tirso. Declarações de António Costa motivam demissão do líder da Direção Geral de Alimentação e Veterinária