Um assessor da Casa Branca terá abordado a equipa da governadora do estado da Dakota do Sul para saber o que era necessário para adicionar mais presidentes ao Monte Rushmore. Donald Trump negou, mas disse que até seria uma boa ideia.

De acordo com o New York Times, que avançou com a notícia este domingo, o telefonema ocorreu no ano passado. Algo que, na realidade, não seria necessário, uma vez que o monumento não está sob jurisdição estatal — mas sim federal —, pelo que não seria preciso uma autorização da responsável pelo estado da Dakota do Sul.

O presidente dos Estados Unidos já tinha dito à governadora que era um “sonho” seu estar ao lado dos seus antecessores. Numa entrevista ao USA Today, em 2018, quando estava a concorrer ao cargo de governadora, Kristi Noem descreveu a seguinte conversa que teve com Donald Trump, depois da sua tomada de posse, numa reunião na Sala Oval, na Casa Branca:

“Ele disse, ‘Kristi chegue aqui. Dê-me um aperto de mão'”, contou a governadora. “‘Eu apertei-lhe a mão e disse, ‘Senhor Presidente, um dia destes tem de vir à Dakota do Sul. Temos o Monte Rushmore.’ E ele disse, ‘Sabe que o meu sonho é ter o meu rosto no Monte Rushmore?'”, relatou Noem, que à primeira não acreditou no presidente.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.