A Câmara de Esposende começou a segunda fase da intervenção na Zona Central das Marinhas, “um projeto para o futuro” que quer “conferir uma nova centralidade” naquela área, representando um investimento total de mais de 800 mil euros.

A obra, anunciada pela autarquia no seu site, abrange o Campo de S. Miguel e está enquadrada nos Planos de Ação de Regeneração Urbana (PARU), dando continuidade ao projeto iniciado na zona envolvente à Igreja Paroquial de Marinhas. O projeto está a ser feito ao abrigo do Plano de Investimento nas Freguesias, instrumento adotado pela autarquia de Esposende para, em parceria com as juntas de freguesia, “responder aos anseios das populações”.

Esta segunda fase das obras foi adjudicada pelo valor de 531 mil euros e tem um prazo de execução de 270 dias, pretendendo prolongar os arranjos urbanísticos desde a igreja de Marinhas até ao Campo de São Miguel e criar um parque urbano, dotado de equipamentos para a prática de atividades ao ar livre que dará apoio ao albergue de peregrinos.

“Quando inaugurámos a obra da zona central de Marinhas, em maio de 2018, assinalei o lançamento de um projeto para o futuro. Agora, ao apresentarmos esta segunda fase da obra, na zona envolvente ao Campo de São Miguel, estamos a concretizar a ideia que pretende conferir uma nova centralidade à freguesia de Marinhas. Assim, vamos avançar com a reabilitação do espaço público, recuperando e expandindo o espaço verde e requalificando o Campo de S. Miguel com uma ampla zona desportiva, de lazer e de estacionamento”, explica no texto o presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

Estas intervenções complementam outras obras em curso na freguesia, como a requalificação da rua da Senra, no valor de 110 mil euros, e a requalificação da Escola de Pinhote, no valor de 170 mil euros, ” obras há muito reclamadas” pela população de Marinhas.

Depois da intervenção junto à Igreja, enumera o texto, “no valor de 323 mil euros, e com esta empreitada que ultrapassará o meio milhão de euros, o Município de Esposende atinge um investimento global nesta zona da freguesia superior a 800 mil euros”.

“Este é um projeto direcionado para a vivência dos cidadãos, dotando a freguesia das melhores condições para os nossos munícipes e para quem nos visita. Pretendemos criar um espaço de usufruto intergeracional. Por isso, estão contemplados equipamentos que servem, transversalmente, toda a população. Com este projeto, o município de Esposende pretende ainda contribuir para a captação turística, proporcionando as melhores condições para quem nos visita”, conclui Benjamim Pereira.