Letónia, Bósnia, Arménia, Paraguai, Gana. Às vezes a melhor forma para se medir uma ideia ou um investimento passa por encontrar formas de fazer comparações e esse tweet que compara aquilo que o Manchester City já gastou em elementos para a sua defesa e o que alguns países do mundo reservam para o seu ministério da Defesa voltou a andar nas redes sociais perante a contratação de Nathan Aké para a próxima temporada. Também entre PSG e Atalanta havia dois números que mostravam o tamanho das diferenças. Números que fizeram a diferença.

Por Bérgamo, por Ilisic e pelo futebol, grazie mille. Para os outros, félicitations: PSG vence Atalanta nos descontos

Se só nos avançados Neymar e Mbappé os franceses gastaram uma verba total a rondar os 350 milhões, a Atalanta investiu um montante aproximado de 330 milhões de euros em toda a sua equipa… desde 2001/02. Quase 20 anos de orçamentos, contratações e vendas que ainda assim ficam aquém comparando com a dupla que, não tendo um jogo fora do normal, acabou por fazer a diferença no momento da verdade. E se a imprensa gaulesa, via France Football, admite a hipótese de transferência de Ronaldo para o PSG, os que já lá estão mantêm aquilo que para o português é já uma utopia: poder ganhar a presente edição da Final Eight da Liga dos Campeões.

Neymar, que tinha decidido a final da Taça de França frente ao Saint-Étienne depois de cerca de quatro meses de paragem competitiva devido à pandemia e que tinha sido também providencial no triunfo na final da Taça da Liga com o Lyon (neste caso sem marcar, com grande mérito de Anthony Lopes à mistura), dificilmente poderia ter um pior início de jogo falhando um golo isolado na área sem oposição logo aos três minutos – o que deixou Mbappé, que começou no banco, de mãos na cabeça. Ainda na primeira parte, atirou de livre para defesa de Sportiello e falhou de novo em boa posição na área. No segundo tempo, com a entrada do avançado francês, a dupla conseguiu criar outro tipo de desequilíbrios e “inventou” os dois golos da reviravolta, de Marquinhos e Choupo-Moting.

Com uma assistência, neste caso para o empate, o avançado tornou-se o segundo brasileiro com mais passes para oportunidades concretizadas da Liga dos Campeões, apenas superado por Dani Alves. Em paralelo, os 16 dribles que conseguiu fazer o longo da partida frente à Atalanta tornou-se um recorde na presente temporada e o maior registo desde 2008 na prova (Messi, Barcelona-Manchester United). Por tudo isto, a UEFA decidiu dar a Neymar o prémio de Melhor Jogador do encontro, que acabou com a antiga estrela do Barcelona a invadir a zona de entrevistas rápidas para se atirar para cima de Choupo-Moting numa festa que se espalhava pelo campo e nas bancadas, onde Di María correu uma zona inteira em euforia para se juntar aos outros companheiros.

Com o triunfo, alcançado em dia de 50.º aniversário, o PSG voltou a uma meia-final da Liga dos Campeões 25 anos depois, igualando o melhor registo de sempre do clube após quatro derrotas na última década nesta fase da competição e esperando agora pelo vencedor da partida entre RB Leipzig e Atl. Madrid para saber com quem vai discutir uma inédita presença no jogo decisivo. Já Neymar tentará a segunda vitória depois do sucesso em 2015.