A Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR) apelou esta sexta-feira para o alargamento dos horários dos espaços comerciais da Área Metropolitana de Lisboa (AML), após o Governo ter determinado que a decisão está nas mãos dos presidentes de câmara.

A AMRR apela a que seja determinado o alargamento dos horários dos espaços comerciais (de rua e em centros comerciais) na AML”, lê-se num comunicado enviado às redações.

Na quinta-feira, em reunião de Conselho de Ministros, o Governo decidiu que os horários de funcionamento dos estabelecimentos comerciais da AML poderão ser alterados por decisão dos presidentes dos municípios, deixando de vigorar a obrigatoriedade de abrirem às 10h e encerrarem às 20h.

Autarcas podem colocar comércio de Lisboa com horários do resto do país. Reuniões do Infarmed ainda sem data para o regresso

Neste sentido, a AMRR enviou uma carta aos dezoito presidentes das Câmaras Municipais da AML, apelando para o alargamento do horário daqueles espaços. O presidente da AMRR, Miguel Pina Martins, refere, em comunicado, que “é necessário e urgente alargar os horários dos espaços comerciais e implementar todas as medidas de apoio ao comércio para uma recuperação económica”.

Os comerciantes têm enfrentado quebras abruptas das suas receitas e, apesar de toda a incerteza, continuam a investir na segurança dos seus clientes e a respeitar as normas e recomendações das autoridades”, acrescenta o responsável.

A associação considera ainda que os espaços comerciais “têm-se revelado seguros e monitorizados” e sublinha que, após cerca de três meses de quebras de 100%, “a recuperação tem sido difícil, com reduções, face ao período homólogo, a rondar os 40% no período da reabertura”.

No seu mais recente Observatório, relativo ao mês de julho, a AMRR anunciou uma quebra de vendas de 36,8% face ao mesmo período do ano passado, tendo sido superior em 12 pontos percentuais em Lisboa (quebra de 42,8%), face ao resto do país.

Covid-19. Vendas dos lojistas cedem 37% em julho