A um passo de completar 77 anos, em 23 de setembro, voltam a pairar no ar algumas dúvidas sobre o estado de saúde de Julio Iglesias, pelo menos a avaliar pelas imagens mais recentes divulgadas pelo programa Sálvame, do canal Telecinco. A viver em Punta Cana, o cantor espanhol foi visto na praia a ser amparado na sua deslocação por duas mulheres, que segundo o El Pais se tratarão de fisioterapeutas, surgindo ainda com adesivos nas pernas.

Não é a primeira vez que se levantam questões sobre eventuais debilidades apresentadas por uma das vozes mais famosas do país vizinho — há pelo menos dois anos que Iglesias leva uma vida mais afastada dos olhares do público, encontrando-se desde então, segundo a imprensa espanhola, a reorganizar o seu património e a preparar as suas memórias. De resto, o mesmo El Pais recorda como o eterno galã, conhecido pela preocupação com uma imagem irrepreensível, tem por hábito refugiar-se dos holofotes quando não se encontra bem — recorde-se que em 1962 Iglesias sofreu um violento acidente de automóvel que provocou graves sequelas e arruinou um futuro como guarda-redes do Real Madrid.

Já no verão de 2015 fora notícia na sequência de uma operação às costas que o obrigou a permanecer em repouso, como informava à época a sua editora em Espanha. Na ocasião, diferentes meios especularam sobre o verdadeiro estado de saúde do cantor, assegurando que atravessava um problema do foro cardíaco e que estaria internado numa clínica em Nova Iorque.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Um dos sinais mais fortes de que a sua condição estaria a deteriorar-se chegou já este verão, quando não acompanhou a família rumo a Marbella, onde costumam passar a temporada, permanecendo na República Dominicana — desde julho que a mulher Miranda e os filhos do casal se encontram instalados na localidade de Ojén, na quinta que Iglesias comprou ao matador Curro Romero. Apesar de o casal viver separado há bastante tempo (Julio nas Caraíbas e Miranda em Miami) é comum o cantor passar alguns dias em Espanha por esta altura.

Quanto à conjuntura, com a Covid-19 em pano de fundo, também não contribuiu para novas aparições do cantor, que tinha dois concertos agendados este ano para Espanha (onde não atua há seis anos): o primeiro em 5 de agosto, no Festival Marenostrum Fuengirola, e o segundo em 28 de agosto, no Teatro Romano de Mérida, atuações ainda no âmbito da digressão mundial lançada em 2018, para assinalar os seus 50 anos de carreira.