É o fim oficial que há muito era anunciado: a Microsoft vai deixar de dar suporte técnico ao Internet Explorer 11, a última versão disponível do famoso navegador de internet, ou browser, do Windows. O anúncio foi feito pela própria empresa. A data oficial para o fim do suporte a este software fica assim com data marcada para exatamente daqui a um ano, 17 de agosto de 2021

Como explica o The Verge, esta decisão significa que a Microsoft vai também deixar de garantir as atualizações e suportes para as versões do Internet Explorer 11 no Office 365, OneDrive, no Outlook, entre outros serviços. Para garantir que os utilizadores empresariais — aqueles que ainda estão mais acostumados a este software — não perdem nada, a Microsoft vai garantir que o seu browser mais recente, o Edge, continua a suportar todos os serviços.

Desde que lançou o novo browser Edge baseado na tecnologia Chromium, em janeiro deste ano, o software por detrás do browser mais utilizado em todo o mundo, o Google Chrome, que a Microsoft tem vindo a tentar convencer os utilizadores a voltarem a usar um navegador Windows. Com esta medida, os utilizadores que quiserem continuar a ter os seus serviços atualizados, e a utilizar um programa Microsoft, terão de mudar para o Edge.

A Microsoft lançou um novo Edge para acabar de vez com o Internet Explorer. E foi buscar inspiração ao Chrome

Ao mudar para o Chromium, a Microsoft não fez uma mudança como em 2015, quando anunciou a primeira versão do Edge. Nesta altura, tinha apenas retirado o código que restava do Internet Explorer deste novo browser. Com o Chromium, a Microsoft passa a seguir os protocolos desenvolvidos por uma concorrente direta, a Google. Como o Google Chrome tem mais de 60% do mercado, a Microsoft também garantiu que o seu browser teria menos problemas de compatibilidade. Como o software da Google é o dominante, a maioria dos sites são preparados a pensar, primeiramente, no Chrome. E partindo do Chromium, a estabilidade estará mais provavelmente garantida.

Microsoft vai ter novo ‘browser’. Adeus Internet Explorer?

Mesmo assim, o fim do Internet Explorer tem sido um pouco mais complicado do que se poderia esperar. Se os utilizadores não atualizam o software, continuam a ter um programa inseguro que poderá criar problemas. Além disso, ao atualizarem o Internet Explorer, a Microsoft pode perder clientes se estes optarem por outros softwares da concorrência (além do Chrome, há também o Safari, da Apple, ou o Firefox, da Mozilla, por exemplo).