Este GT-R, ainda que possua uma carroçaria aberta, que permite circular de cabelos ao vento, tem muitas das características do superdesportivo japonês. As quatro saídas de escape, a frente tipicamente Nissan, os agressivos alargamentos de guarda-lamas, que fazem recordar as versões de competição do GT-R, sensação que é reforçada pelo camber muito negativo tanto à frente como atrás.

Sucede que, neste caso, tudo o que parece Nissan GT-R é na realidade parte de um pack de transformação desenvolvido pela Liberty Walk, que produz kits de carroçaria de “grandes carros” para “pequenos modelos” como este. E as modificações não se limitam à carroçaria, pois também as suspensões são “mexidas”, rebaixadas e endurecidas, como se o pequeno bólide possuísse os mesmos 600 cv da versão Nismo do Nissan GT-R.

Apesar de disfarçado pela decoração da Marlboro, que nos recorda os McLaren de F1 dos tempos de Ayrton Senna, o pequeno modelo em causa é um Daihatsu Copen, um conhecido kei car japonês, classe de veículos eminentemente citadinos, com menos de 3,5 metros de comprimento e motores igualmente minúsculos.

Apesar do seu aspecto agressivo, a recordar o Godzilla, o monstro de Hollywood com quem o Nissan GT-R partilha a denominação, o Daihatsu Copen monta um pequeno motor com apenas três cilindros, 658 cc e uns “impressionantes” 63 cv. Isto significa que está apenas a 537 cv da potência do Nissan GT-R.