A UEFA quer que os jogadores de futebol sejam isentados da obrigação de quarentena no regresso de jogos que tenham de disputar no estrangeiro, nomeadamente ao serviço das seleções nacionais.

A duas semanas de se realizarem jogos para a Liga das Nações, a UEFA esteve esta quarta-feira reunida em videoconferência com os seus 55 associados e ficou clara a intenção de pedir aos governos dos países que a regra da quarentena, por causa da pandemia de Covid-19, seja excecionalmente afastada.

Argumenta a UEFA que já tem o seu próprio mecanismo, o “Uefa Return to Play Protocol”, pelo que a viagem daqueles jogadores, avaliados pelas regras do organismo, que prevê bastantes testes, já não representará um risco para a sociedade.

Com vários jogadores a alinhar em clubes de países estrangeiros, será intenso o fluxo em véspera da “janela” de jogos da Liga das Nações – 3 a 8 de setembro – e nos dias seguintes, antes do arranque da Liga espanhola e da Liga inglesa.

A UEFA é o único organismo continental de futebol que não adiou os jogos de seleções de setembro. De momento, só admite a alternativa de campos neutros, caso as condições locais coloquem em risco a realização de jogos.

Jogos de futebol internacionais em setembro só na Europa

A nível de clubes, já se registaram problemas nas fases iniciais da Liga dos Campeões e Liga Europa, com o Drita, campeão do Kosovo, a ter de faltar a um jogo na Suíça e o Slovan Bratislava a ver adiada a sua deslocação às Ilhas Faroé.

Entretanto, a UEFA encara a sua Supertaça, em 24 de setembro, em Budapeste, como um “teste” ao regresso do público aos estádios. O jogo oporá os vencedores da Champions e da Liga Europa, cujas finais ainda se vão disputar.