O Partido Comunista Português (PCP) está a colocar entraves a que os concertos da Festa do Avante decorram apenas com lugares sentados na plateia, conforme a DGS está a recomendar no decurso das negociações para a realização daquele evento político-cultural agendado para 4, 5 e 6 de setembro.

A notícia é da SIC Notícias, que cita fonte diretamente envolvida no processo para dizer que o PCP tem resistido à medida de os concertos terem apenas lugares sentados. De acordo com aquele canal, o PCP tem defendido que o público poderá salvaguardar o distanciamento físico durante os concertos mesmo que esteja de pé.

Contactado pelo Observador, o Gabinete de Imprensa do PCP nega a veracidade da notícia em causa. “O PCP não tem conhecimento de qualquer comunicação da DGS nesse sentido. Como se sabe as matérias tratadas com a DGS têm decorrido no estrito plano da relação entre o PCP e essa entidade”, respondeu.

O Observador perguntou ainda se o PCP e a organização da Festa do Avante têm meios para garantir que os concertos contem apenas com lugares sentados. Esta pergunta não mereceu resposta do PCP.

A SIC Notícias refere ainda que a DGS deverá aceitar a lotação máxima definida pelo PCP para a Festa do Avante, fixada nos 33 mil. Nas negociações entre a DGS e o PCP, os comunistas terão dito que nas edições anteriores não terão estado mais de 23 mil pessoas em simultâneo no recinto da Festa do Avante, que se realiza na Quinta da Atalaia, no Seixal. Porém, o PCP por norma não divulga quantos bilhetes (as Entradas Permanentes, EPs) vende a cada ano.