Há vários motivos para conceber um superdesportivo, para mais se é belo, agressivo, potente e promete uma eficácia acima de toda a suspeita. A justificação do Brabham BT62 tem a ver com a vontade de homenagear um dos melhores pilotos de F1 da história, o australiano Jack Brabham, que foi também construtor e o único piloto a vencer um campeonato ao volante de um carro com o seu nome.

Para já, David, o filho de Jack Brabham que lidera o projecto, comprometeu-se a produzir apenas 70 unidades exclusivamente para pista, não sendo evidente que a estas não se sigam outras homologadas para circular em estrada. Além de muito leve, com apenas 972 kg, o BT62 distingue-se por montar um motor 5.4 V8 atmosférico, que canta que é uma maravilha.

Atenção Ferrari, McLaren e Lamborghini. Vem aí o Brabham

Quem igualmente canta e encanta é o sistema de som concebido pela Kyron Audio, empresa que, tal como Jack Brabham, é australiana. A especialista em soluções áudio topo de gama concebeu um sistema propositadamente para o BT62 e adaptado às dimensões e formas do seu habitáculo.

Segundo os responsáveis pela Kyron, a aparelhagem “proporciona uma experiência imersiva e surpreendente”, como que a justificar um preço de 210.700€. Mas alguém deverá informar estes especialistas em som que num desportivo que só pode rodar em pista, seja em track days ou em competição, e que para cúmulo monta um V8 atmosférico com 710 cv, a última coisa que se deseja é um super “rádio”, por muito incrível que seja.