Já se sabe que os BMW M3 e M4, respectivamente a berlina e o coupé desportivos desta bitola da marca germânica, vão ser os primeiros a exibir a nova grelha da marca, em que o tradicional duplo rim assume uma dimensão muito mais generosa e vertical. A alteração foi bem recebida por muitos clientes e não tão bem por outros, pelo que o construtor continua a apostar na preparação da opinião, não só pública como dos entusiastas da marca.

Aproveitando o BMW M Grand Prix de Estíria, na Áustria, a ter lugar este fim-de-semana, o construtor alemão revelou dois dos modelos que vão exibir a nova frente. Um deles é o M4, que surge como uma versão coupé do emblemático BMW M3, com carroçaria mais familiar de quatro portas que, ao que tudo indica, será revelado ao público em Setembro.

A segunda novidade foi o M4 GT3, a versão de competição do M4, transformado de acordo com as especificações da categoria GT3 da FIA, mais alargado e substancialmente mais agressivo. Obviamente, sob a carroçaria estão os argumentos que asseguram que o modelo acelera, curva e trava como se pode exigir a um modelo de competição, com os apêndices aerodinâmicos a garantirem que o M4 GT3 continuará colado ao solo, roubando um pouco de velocidade em recta, mas incrementando a velocidade de passagem em curva e a maior eficiência na travagem.

Ambos montam o motor 3.0 com seis cilindros em linha TwinPower Turbo, na versão M4 com 480 cv e 510 cv na versão M4 GT3. A diferença em termos de potência absoluta não parece muita, mas apenas porque está limitado na admissão de ar, pois o comportamento do motor é de um verdadeiro puro-sangue. Para explicar o maior incremento da capacidade de aceleração, o BMW M4 GT3 conta com um menor peso do chassi, recorrendo a painéis de carbono e “vidro” em plástico transparente.