O Comité Executivo da FIFA estabeleceu algumas alterações temporárias quanto à cedência obrigatória de jogadores às seleções nacionais europeias que vão disputar jogos em setembro, devido à pandemia de Covid-19, anunciou esta segunda-feira o organismo.

Vários governos nacionais voltaram a implementar restrições nas viagens e na imigração, devido ao aumento de infeções por Covid-19. Algumas destas medidas afetam diretamente as competições internacionais, como são os casos da quarentena ou auto-isolamento obrigatórios e as restrições nas viagens”, referiu a FIFA, em comunicado.

Desta forma, “com o objetivo de preservar a saúde e o bem-estar de todos os que estarão envolvidos em competições internacionais”, o Comité Executivo da FIFA, em convergência com a UEFA, decidiu implementar algumas exceções na regra que obriga os clubes a cederem jogadores às seleções europeias.

Para os jogos de setembro, os clubes não serão obrigados a ceder atletas “quando existir a obrigação de cumprir um período de quarentena ou auto-isolamento de pelo menos cinco dias” aquando da “chegada ao país do clube que deva ceder o jogador” ou “no país em que será disputado o jogo dessa seleção”.

Da mesma forma, a FIFA revela que a nenhum clube será exigida a cedência de um atleta caso “existam restrições nas viagens de ou para os países mencionados acima”, nem quando “as autoridades competentes rejeitarem conceder isenções aos jogadores selecionados”.

Estas exceções temporárias estarão em vigor de 31 de agosto a 8 de setembro, no caso dos jogos das seleções masculinas, e de 14 a 22 de setembro, para as partidas das seleções femininas.