Um total de 172 economias estão envolvidas em discussões para participarem na COVAX, uma iniciativa global que pretende tornar equitativo o acesso a uma vacina para a Covid-19 e que precisa de financiamento urgente para poder avançar.

A COVAX está neste momento a trabalhar com produtores de vacinas e governos para garantir acesso global e equitativo a uma vacina que se mostre segura e possa ser licenciada e aprovada, tendo no seu portefólio nove candidatas a vacina e em avaliação outras nove, de acordo com um comunicado da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgado esta segunda-feira.

De forma a poder garantir doses suficientes de vacinas para proteger os mais vulneráveis, como profissionais de saúde e idosos, o próximo passo desta parceria é confirmar a intenção de potenciais participantes com capacidade de se autofinanciarem se juntarem ao projeto até 31 de agosto, de transformarem essa intenção em compromissos vinculativos até 18 de setembro, com os primeiros pagamentos adiantados a serem feitos o mais tardar até 9 de outubro.

A forma como a vacina será distribuída equitativamente pelas economias participantes está ainda a ser definida pela OMS, sendo o papel da plataforma COVAX o de usar de forma agregada o poder de compra de todas as economias participantes para assegurar compras de grande dimensão entre as potenciais candidatas a vacina, fornecendo empresas com capacidade de produção em larga escala meios de investir antecipadamente na capacidade de produção, aumentando assim as hipóteses de acesso rápido a uma vacina bem sucedida.

Entre as nove candidatas a vacina para a Covid-19 mais promissoras há sete em ensaios clínicos, neste momento.

Governos, produtores de vacinas, organizações e indivíduos a título pessoal já se comprometeram com cerca de 1.187 milhões de euros para a investigação da vacina, mas é necessário, com urgência, cerca de 850 milhões de euros mais para garantir o alargamento do portefólio da COVAX, com outras potenciais nove candidatas em análise.

Maximizar o portefólio de vacinas em investigação apoiadas por um consórcio alargado de economias aumenta a probabilidade de sucesso, dado que as vacinas individuais têm historicamente uma elevada taxa de insucesso, refere a OMS em comunicado.

Uma colaboração entre o Serum Instituto da India, a Aliança para as Vacinas (Gavi) e a Fundação Bill e Melinda Gates vai garantir que mais de 100 milhões de doses das vacinas candidatas da AstraZeneca ou da Novavax possam ser distribuídas, se se revelarem seguras e eficazes, a países de pequenas e médias economias a apenas 2,5 euros por dose.

O instrumento de financiamento da COVAX para garantir a vacinação de 92 economias de baixos recursos, o COVAX AMC, angariou até agora mais de 500 milhões de euros dos quase 1.700 milhões necessários até ao final do ano para assegurar esse objetivo.

Financiar o COVAX AMC vai ser crítico para assegurar que a capacidade de pagar não será um entrave no acesso à vacina, uma situação que deixaria a maioria do mundo desprotegida, com a pandemia e os seus impactos a continuarem inabaláveis”, lê-se no comunicado da OMS.

Oitenta países mais ricos, capazes de financiar a vacina com os seus orçamentos nacionais, já submeteram Expressões de Interesse antes do fim do prazo de 31 de agosto para confirmar a vontade de participar. Vão formar uma parceria com outros 92 países mais pobres que serão financiados pela COVAX AMC, se este instrumento atingir os seus objetivos de financiamento.

Em conjunto, estes 172 países representam mais de 70% da população mundial.

O objetivo da COVAX é até ao final de 2021 distribuir dois mil milhões de doses de vacinas eficazes que cumpram os critério para aprovação.