O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, ofereceu esta terça-feira o apoio do Governo às regiões que decretem o estado de emergência para conter a pandemia e a mobilização de 2.000 militares para as auxiliar no rastreio de contágios.

“O Governo de Espanha vai colocar à disposição das comunidades efetivos das Forças Armadas para o rastreio” de contágios do novo coronavírus, disse Sánchez numa declaração após o Conselho de Ministros, precisando que podem ser mobilizados 2.000 militares para esse fim.

O primeiro-ministro sublinhou também que as regiões podem decidir aplicar o estado de emergência em parte ou em todo o respetivo território, limitando nomeadamente a circulação, no que terão todo o apoio do Governo central, com todos os meios materiais, digitais e jurídicos.

“Se um presidente autonómico considera que necessita deste instrumento […], o Governo de Espanha está disposto a dar-lhe essa capacidade”, disse, ressalvando, contudo, que “falar de estado de alerta não é falar de confinamento” e evocando as diferentes fases de desconfinamento que foram aplicadas no país após o pico da pandemia.

A falta de meios humanos nas comunidades autónomas, competentes em matéria de saúde, tem sido apontada como uma das razões do forte aumento de novos casos de Covid-19.

“A evolução da curva da pandemia é preocupante e é preciso travá-la”, admitiu Sánchez, acrescentando, contudo, que Espanha continua “longe da situação de meados de março” e que “não deve criar-se um medo que paralise” o país. O primeiro-ministro espanhol apelou por outro lado aos espanhóis que descarreguem a aplicação RadarCovid, para facilitar o trabalho de rastreio.

Espanha, que ultrapassou na segunda-feira os 400.000 casos diagnosticados de coronavírus, regista nas últimas semanas um aumento de casos de infeção, tendo atingido na quarta-feira passada o número mais elevado de novos casos desde o final de maio (3.715), com Madrid, Aragão e a Catalunha como as regiões atualmente mais afetadas. A pandemia já fez mais de 28.000 mortos no país.