A Organização Internacional da Francofonia (OIF) suspendeu esta terça-feira o Mali das suas instâncias, depois do golpe de Estado realizado em 18 de agosto, em Bamako, capital do país.

Esta decisão foi tomada durante uma sessão extraordinária do Conselho Permanente da Francofonia (CPF), reunido em videoconferência sob a presidência de Louise Mushikiwabo, secretária-geral da Francofonia, anunciou a OIF, em comunicado.

Os membros do CPF decidiram a suspensão da República do Mali da Francofonia, mas mantendo as ações de cooperação que aproveitam diretamente às populações civis, bem como as que contribuem para o restabelecimento da democracia”, especificou a organização.

A Francofonia igualmente apelou para a “libertação do Presidente (Ibahim Boubacar) Keita e das outras personalidades detidas desde 18 de agosto, bem como a instalação, no prazo mais rápido, de um governo de transição conduzido por uma autoridade civil, condição indispensável para uma saída de crise credível e durável”.

O golpe de Estado começou com a detenção pelos militares de Ibrahim Boubacar Keita e do seu primeiro-ministro, Boubou Cissé, bem como a detenção de altos funcionários civis e militares, que foram levados para o campo militar de Kati, nos subúrbios da capital maliana.

Presidente e primeiro-ministro do Mali detidos em motim militar