A bolsa nova-iorquina encerrou esta segunda-feira em alta e com mais recordes, graças a investidores encorajados por notícias sobre a luta contra o novo coronavírus, que favoreceram setores como o transporte aéreo, e pela progressão contínua da Apple.

Os resultados definitivos da sessão indicam que os índices Nasdaq e S&P500 atingiram novos máximos históricos no fim da sessão.

O tecnológico avançou 0,60%, para as 11.379,72 unidades, e o alargado 1,01%, para as 3.431,41. Já o seletivo Dow Jones Industrial Average subiu 1,36%, para os 28.309,14 pontos.

A tendência ascendente foi alimentada pelas novas informações sobre um tratamento e uma vacina contra o novo coronavírus, que deram um impulso aos setores mais afetadas em bolsa pela pandemia.

A American Airlines valorizou 10,5%, a United Airlines 9,9% e a Delta 9,3%. Por seu lado, a empresa de cruzeiros Norwegian Cruise Line ganhou 7,6%.

A autoridade federal que regula os medicamentos (FDA, na sigla em inglês) autorizou, com caráter de urgência, um tratamento via transfusão de plasma sanguíneo de pessoas curadas.

Por outro lado, segundo o Financial Times, a Casa Banca pretende acelerar um processo de autorização de uma vacina desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford.

“Todos os dias recebemos o yin e o yang” no que respeita ao novo coronavírus, realçou Maris Ogg, gestora de investimentos da Tower Bridge Advisors. Por exemplo, esta segunda-feira “soube-se uma boa notícia sobre o tratamento, mas também se ficou a saber que as pessoas podem ser infetadas uma segunda vez pelo vírus. Isto deve continuar assim até que se tenha um grupo de vacinas consideradas eficazes”, realçou.

Enquanto se espera, a atividade diminuiu nos mercados neste fim de verão, observou. Mas os investidores apoiam-se em uma época de resultados empresariais, “que reservou muitas boas surpresas”.

Na sua opinião, “houve grandes ganhadores, os que beneficiaram da viragem para as atividades em linha e souberam atingir os clientes através da Internet, grandes perdedores que ainda sofrem diretamente os efeitos da pandemia, como as transportadoras aéreas, e os que não souberam aproveitar a oportunidade, como numerosas empresas do setor da distribuição”.

Wall Street também beneficiou com a subida da Apple, que valorizou hoje 1,2%, depois dos mais de 5% na sexta-feira. A empresa, que já vale mais de dois biliões de dólares em bolsa, prepara-se para dividir a sua ação por quatro, para reduzir o seu valor unitário.