O apito final do encontro decisivo da Youth League trouxe as habituais emoções de euforia e deceção multiplicadas pelas idades dos jogadores em causa. Grande festa dos elementos do Real Madrid, que conquistaram o primeiro troféu de sempre do clube na competição, muitas lágrimas dos atletas do Benfica, que falharam pela terceira vez a vitória no principal título europeu de clubes em juniores. Tanto ou mais do que em relação a quem tinha ganho, houve um especial cuidado com quem tinha sido derrotado, uma atitude que chegou até do adversário.

Ramos pediu cabeça, a maldição continua (entre autogolos, penáltis falhados e bolas na trave): Benfica perde final da Youth League com Real

À semelhança do que já tinha acontecido sobretudo nos quartos com o Inter, numa imagem que teve um enorme impacto em Espanha e Itália, Raúl González, antigo capitão e avançado do Real Madrid que é hoje treinador das camadas jovens (diz-se que a caminho da sucessão de Zinedine Zidane um dia, algo que só o futuro poderá dizer), fez questão de ir consolar vários jogadores encarnados que se encontravam caídos pelo relvado, entre abraços e cumprimentos que visavam também valorizar a grande segunda parte que o Benfica conseguiu fazer. Depois, Pedro Mil Homens, diretor-geral da academia do clube, tomou a palavra e assumiu o discurso numa roda que juntou todos os elementos da equipa. E ainda houve no final o alento de Luís Filipe Vieira, presidente das águias, através de um comunicado, e Rui Costa, administrador da SAD, que esteve também em Nyon.

Enquanto tudo isto decorria, o FC Porto deixou uma “provocação” ao rival através das redes sociais, com o tweet “Recordar é viver. O FC Porto é o único clube português campeão europeu de Sub-19. À primeira foi de vez”, relembrando o triunfo do ano passado frente ao Chelsea por 3-1 na única final realizada (da equipa onde se encontravam Diogo Costa, Diogo Leite, Tomás Esteves, Romário Baró, Fábio Silva, Fábio Vieira, Vítor Ferreira ou João Mário) contra a terceira final perdida pelo Benfica, que já antes tinha saído derrotado no encontro decisivo da Youth League diante de Barcelona (3-0 em 2014) e Salzburgo (2-1 em 2017), antes do desaire com o Real Madrid.

Em termos oficiais, o Benfica não fez qualquer comentário à “farpa” deixada pelos azuis e brancos mas os próprios jogadores encarnados não deixaram passar essa frase no Twitter. “Futebol português nunca irá evoluir com este tipo de comportamentos”, escreveu na mesma rede social Rafael Brito, um dos jogadores que entrou ao intervalo e que ajudou e muito à melhoria do conjunto de Luís Castro na segunda parte. “Fico incrédulo com o que vejo aqui… Por isso é que somos bem mais superiores. Somos Benfica”, comentou Tiago Araújo, jogador que tinha começado a vitória nas meias com o Ajax e que na final começou como ala e acabou como lateral esquerdo. “Orgulho em fazer parte deste fantástico grupo”, destacara numa mensagem logo após o apito final.

Também João Noronha Lopes, um dos quatro candidatos confirmados à presidência do Benfica nas eleições de outubro além de Luís Filipe Vieira, Rui Gomes da Silva e Francisco Benítez, comentou essa mensagem publicada pelo órgão oficial dos dragões. “Reação lamentável e reveladora de pequenez. A transformação que queremos no Benfica e no futebol português também deve passar por aqui. Precisamos de melhores intervenientes em todas as dimensões do desporto”, escreveu o gestor também na conta oficial no Twitter da sua campanha.